2017/04/28

«Canto do Inovador: Aplicativo facilita recolha de dados»



Jornal Notícias de Moçambique



«Estudantes de três instituições de ensino superior juntaram-se para criar um aplicativo que ajuda na recolha de dados em locais onde não há corrente eléctrica nem acesso a tecnologias. O “Simple Solution” reduz o tempo de trabalho e torna a pesquisa mais fiável.

»O grupo é composto por Sousa Massingue Júnior, que cursa Engenharia e Gestão de Tecnologias de Informação e Comunicações na Universidade Técnica de Moçambique (UDM), Rafique Txaquetxe, Engenharia Informática e de Telecomunicações no Instituto Superior de Transportes e Comunicações (ISUTC) e Hamilton Chembene, Engenharia Informática e de Telecomunicações no Instituto Superior de Ciências e Tecnologias de Moçambique (ISCTEM).

Estudantes de três instituições de ensino superior juntaram-se para criar um aplicativo que ajuda na recolha de dados em locais onde não há corrente eléctrica nem acesso a tecnologias.

»A iniciativa que data de 2016, reduz custos de aquisição e transporte de papel e evita a perda de dados e outros incidentes que podem comprometer a informação arquivada.

»“O desenvolvimento desta solução, vem ajudar na recolha de dados e posterior visualização de estatísticas”, explica.

»Os inovadores desta semana contam que para a recolha de dados, foi desenvolvida uma aplicação móvel na qual pode ser feita a inserção, actualização ou eliminação de dados, mesmo sem acesso à rede da Internet, podendo armazená-los logo que esta se restabeleça.

»Referem que o aplicativo foi criado, inicialmente, para a N'weti, uma organização moçambicana sem fins lucrativos voltada para comunicação para saúde. No entanto, o “Simple Solution” é aplicável a mais instituições.

»O grupo de estudantes afirma que percorreu um longo caminho para a materializar a ideia. Refere que a entrega e o trabalho de equipa foram a base para o alcance de resultados. Depois de estudar a filosofia e a tecnologia da solução, empenharam-se no desenvolvimento da estrutura base da plataforma electrónica. O protótipo desta iniciativa foi apresentado no final da maratona de programação, realizada na cidade capital, e que valeu aos promotores a segunda posição no certame.

»A solução informática ainda não está a ser implementada, mas “estamos a validar as opções de implementação. A nossa perspectiva é tornar a solução melhor e divulgá-la para sociedade”, disse.»





Inovação e recursos

2017/04/27

«Beacons tornam app de Junta de Freguesia de Santo António pioneira»



B!T Magazine @Revista_BiT, Joana Leça



«Decorreu a apresentação da aplicação da Junta de Freguesia de Santo António, em Lisboa. Trata-se de “um passo dado em frente” em que a tecnologia é aliada aos serviços autárquicos pela melhoria do espaço cívico e das condições do freguês.

»Criada pela portuguesa WhiteRoad, a aplicação foi um “trabalho feito à medida” como explica Nuno Valente à Bit Magazine.

»Foram analisadas as necessidades da Junta e as razões porque pretendiam criar uma aplicação e esta foi desenhada e estruturada pelas mãos dos técnicos da WhiteRoad.

»A aplicação tem todos os serviços e possibilidades que o freguês pode precisar. Desde contatos, a mapas topónimos, todas as ruas da freguesia, a história, os serviços da junta, agenda e até a magazine da cidade. Um dos pontos mais citados como necessários era o registo das ocorrências.

»“Agora temos facilidade para que as ocorrências nos sejam reportadas” explica Pedro Martins, Diretor de Comunicação da Junta e o pai da aplicação visto que foi quem teve a ideia de criar um canal simplificado entre freguês e Junta. A aplicação permite que o utilizador registe, tire uma foto e geolocalize uma ocorrência, tratando-se de lixo no chão ou buracos.

»“Esta freguesia tem 140 ruas e como é óbvio não conseguimos passar em todas as ruas todos os dias. Os problemas surgem de um momento para o outro e se alguém o reportar, a Freguesia consegue solucioná-lo mais rapidamente”, explicou o Presidente da Junta de Santo António, Vasco Morgado.

»Isto não é no entanto novo. Em 2014, a Junta de Freguesia da Estrela já apresentava uma app que permitia comunicar estes casos.” Pedro Martins conta as diferenças que esta aplicação apresenta; “Primeiramente é uma aplicação para Android e iOS, depois apresenta informação sobre a freguesia e as suas ruas e que permite interação com o freguês, temos também as notificações, que é novidade”.

A aplicação permite que o utilizador registe, tire uma foto e geolocalize uma ocorrência, tratando-se de lixo no chão ou buracos.

»A questão das ocorrências apresenta também a possibilidade de o utente ter conhecimento quando esta for resolvida. É possível através da aplicação saber se o buraco está a ser reparado e receber uma notificação quando estiver.

»As notificações funcionam como as aplicações de órgãos de comunicação social; se existir trânsito, uma rua estiver fechada, ou uma calamidade estiver a ocorrer, os utilizadores da aplicação vão ter acesso à informação. Os avisos da proteção civil recebidos pela Junta vão também ser remetidos pela aplicação.

»O que torna a aplicação pioneira, além da comunicação de parte a parte, entre a junta e os moradores da freguesia é a possibilidade de notificações push-up multi conteúdo. Os beacons da WhiteRoad vão permitir que os utilizadores da aplicação, através do Bluetooth recebam avisos de eventos, vouchers, promoções dos estabelecimentos onde se encontra o beacon.

»“Os beacons são programados e vão ter multi conteúdos. Em cada rua vão estar pelo menos dois dispositivos colocados e por exemplo os turistas com a aplicação assim que entrarem vão ser recebidos por uma notificação. Estes mesmos beacons vão servir para notificações de acontecimentos na rua e na segunda fase vai permitir que um restaurante lance um voucher, por exemplo.”

»A geolocalização dos beacons é mais precisa que o sinal de GPS, explica Nuno Valente acrescentando que os aparelhos vão também permitir “saber que colaboradores passaram lá” e quais as zonas mais movimentadas da cidade e que por isso precisam de mais vigilância.

»Os beacons funcionam por Bluetooth, e ao contrário das notificações da aplicação, os push-ups que são lançados para uma rua específica e as possibilidades de publicidade só funcionam se o portador da aplicação tenha o Bluetooth da aplicação ativo.

»“Isto é uma vantagem na realidade porque estamos a trabalhar com o Turismo do Algarve por exemplo, em zonas onde não existe Wi-fi e rede móvel e através dos beacons torna-se possível comunicar” explica Nuno Valente à Bit.

»Ao questionarmos Vasco Morgado da sociedade geracional que vive em Santo António ser maioritariamente idosa e por isso não utilizadora de aplicações a resposta é rápida e automática: “Estamos à espera que a aplicação seja usada por quem normalmente usa as aplicações. Nós queremos chegar a uma geração que normalmente não usa os atendimentos da Junta, assim conseguimos chegar aos mais jovens.”

»A aplicação também tem uma secção para os trabalhadores da Junta de Freguesia. As “tarefas” para o dia surgem na aplicação e os trabalhadores que estão na rua têm a possibilidade de dar finalidade às suas tarefas. Se estas se tratarem de resposta a uma ocorrência detetada por um freguês, o trabalhador pode fazer com que o ícone vermelho se transforme em verde, dando por finalizada a ocorrência e conhecimento ao cidadão.

»Para já a “Freguesia de Santo António” está apenas disponível em português mas já se encontra em processo de atualização para que os utilizadores possam ter conhecimento de onde está o “Sobe & Desce”, o autocarro da Junta que transporta utentes entre as colinas de Santo António.»





Inovação e invenções

2017/04/26

«Lusiaves aposta na digitalização e em tecnologias de indústria 4.0»



Jornal Económico @ojeconomico, Nuno Miguel Silva





«Solução vai permitir ao Grupo Lusiaves saber as quantidade precisas de ração para os frangos e de cargas de transportes para toda a rede de distribuição logística.

»O Grupo Lusiaves aceitou o desafio da Deloitte Portugal para, em conjunto com o Instituto Politécnico de Leiria, apresentar uma solução tecnológica inovadora no âmbito da iniciativa Indústria 4.0 – Economia Digital que teve lugar na Escola Superior de Tecnologia e Gestão (ESTG), em Leiria.

»Segundo Paulo Gaspar, administrador e CIO da Lusiaves, o grupo “há muito que aplica conceitos e tecnologia de Indústria 4.0, e há muito que tem fábricas totalmente automatizadas”.

»“No entanto, sabemos que ainda temos um longo caminho a percorrer rumo à total digitalização do negócio, e nesse âmbito, o objetivo deste desafio foi demonstrar mais um exemplo prático de como com a aplicação de tecnologias de Indústria 4.0 se consegue ter ganhos de eficiência, competitividade, redução de custos, e talvez até, desenvolver novos modelos de negócio”, sublinha aquele responsável.

»Numa parceria com a Deloitte Portugal e o Instituto Politécnico de Leiria, este desafio conta com o contributo de alunos de gestão, eletrotecnia, informática, mecânica e respetivos coordenadores de curso/mestrado.

O Grupo Lusiaves aceitou o desafio da Deloitte Portugal para, em conjunto com o Instituto Politécnico de Leiria, apresentar uma solução tecnológica inovadora no âmbito da iniciativa Indústria 4.0 – Economia Digital que teve lugar hoje na Escola Superior de Tecnologia e Gestão (ESTG), em Leiria.

»“A solução que está a ser desenvolvida vai permitir ao Grupo Lusiaves resolver um problema que é não conseguir saber de forma precisa que quantidades de ração são distribuídas pelos diferentes pavilhões de frangos. Hoje as descargas são feitas a olho o que faz com que alguns pavilhões de frangos recebam mais comida e outros menos”, explica um comunicado da Lusiaves.

»Este sistema inovador vai ser concretizado com a implementação de um sensor ao nível da suspensão dos camiões, que através de um algoritmo avançado permitirá aferir o peso transportado pelo camião em tempo real.

»Depois, essa informação é passada automaticamente para o motorista através de uma ‘app’ no ‘smartphone’ que vai permitir descargas precisas e de forma automática, reduzindo o erro e originando grandes poupanças e uma melhor qualidade nos frangos que o grupo Lusiaves comercializa.

»A solução tecnológica em questão tornará também possível ao Grupo Lusiaves “recolher o milho nas explorações agrícolas sabendo em tempo real quanto está a ser transportado, e conseguindo automaticamente partilhar essa informação com o agricultor, garantindo que este sabe que quantidades está a vender e (…) que só estão a ser transportadas as quantidades permitidas por lei, evitando assim eventuais contraordenações por excesso de carga”.

»Recorde-se que o Grupo Lusiaves fez parte de 80 empresas convidadas a dar o seu contributo em conjunto com o Governo para ajudar a definir uma série de políticas de incentivo e ajuda às empresas, para que estas se modernizem e adotem procedimentos e tecnologias Indústria 4.0

»Este evento, que teve como objetivo apresentar as medidas da iniciativa Indústria 4.0, dinamizada pelo Ministério da Economia, contou com a presença do primeiro-ministro António Costa; do ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral; e do secretário de Estado da Indústria, João Vasconcelos.»





Inovação e ideias

2017/04/25

«Talkdesk lança loja de aplicações para empresas, a AppConnect»



Observador @observadorpt, Cristiana Faria Moreira





«Startup portuguesa lançou uma loja de aplicações que permite a qualquer cliente pesquisar e selecionar as apps que melhor se integram nos seus centros de contacto. Conta com 16 parceiros.

»Chama-se AppConnect, é a primeira loja de aplicações para empresas, e foi lançada pela Talkdesk, a startup portuguesa que promete criar um call-center, sem necessidade de instalar um software ou equipamento específico. O acesso a esta loja permite que qualquer administrador possa personalizar e gerir a integração de tecnologia nos seus contact centers (centros de contacto com os clientes).

»O anúncio do lançamento da AppConnect foi feito no Opentalk, evento internacional organizado pela Talkdesk em São Francisco, nos Estados Unidos, que reuniu mais de mil clientes e parceiros da empresa.

»A AppConnect permite aos contact centers descobrirem, instalarem, testarem e adquirirem tecnologia inovadora da forma mais fácil possível. “Simplificámos o processo ao máximo, para que as empresas continuem focadas no que é realmente importante: tratarem bem os seus clientes”, explicou Tiago Paiva, cofundador e líder da Talkdesk, em comunicado.

»A empresa quer facilitar a “integração de tecnologia inovadora” nas soluções de contacto com os clientes. Este é “um dos grandes desafios” que as empresas enfrentam atualmente, porque a “instalação pode ser demorada, complicada e de difícil conjugação entre ferramentas”, explicou a empresa em comunicado. E é engenharia portuguesa que está por trás do desenvolvimento deste projeto.

A AppConnect permite aos contact centers descobrirem, instalarem, testarem e adquirirem tecnologia inovadora da forma mais fácil possível. Simplificámos o processo ao máximo, para que as empresas continuem focadas no que é realmente importante: tratarem bem os seus clientes.

»O objetivo é simplificar processos e é o mesmo que Tiago Paiva e Cristina Fonseca tinham quando quiseram facilitar a criação de um call-center, em cerca de “cinco minutos”, e fundaram a Talkdesk, em 2011.

»Na AppConnect, as aplicações podem ser testadas gratuitamente e instaladas rapidamente. O pagamento é feito à medida das necessidades de cada cliente, sendo que os contratos estabelecidos são adicionados à fatura Talkdesk e podem ser alterados em qualquer altura.

»A loja conta, neste momento, com aplicações desenvolvidas por 16 parceiros, e serão adicionadas novas ofertas até ao final do ano, onde se incluem “páginas personalizadas, widgets no Painel de Controlo, ferramentas avançadas de developer (programador), informação de marketplace”, detalhou a empresa.

»Para Marco Costa, diretor geral da região da Europa, Médio Oriente e África (EMEA) da Talkdesk, “o AppConnect é fundamental para a estratégia de crescimento no mercado europeu, no qual vamos desenvolver a nossa expansão nos próximos anos”.

»No início do mês, a Talkdesk anunciou a abertura de um escritório no Porto, depois de já estar presente em Lisboa e em São Francisco, e a contratação de mais 100 pessoas em Portugal, empregando assim 350 profissionais nos três escritórios.»





Inovação e discursos

2017/04/24

Newsletter L&I, n.º 145 (2017-04-24)




n.º 145 (2017-04-24)

TAG: # aplicativos # aplicaciones # applications # applis # apps
L&I Media
L&I Scholar
L&I Blog



Index


TAG: # aplicativos # aplicaciones # applications # applis # apps


Liderar Inovando BR
Discursos e inovação | Ideias e inovação | Invenções e inovação | Recursos e inovação

«Roça hi-tech: conheça as inovações que estão revolucionando a agricultura» [link]

«Aplicativo de música alerta para velocidade no trânsito: O Speed-o-Track» [link]

«Como funciona uma fábrica de apps» [link]

W. Gabriel: «Sindicatos e empresas tradicionais fazem o sucesso dos apps inovadores» [link]



Liderar Inovando PT
Discursos e inovação | Ideias e inovação | Invenções e inovação | Recursos e inovação

«Big Smart Cities. Cascais é a primeira “cidade experimental” para startups» [link]

«Portugueses criam a "app mais segura" para guardar fotos» [link]

«Android mostrou todo o seu potencial de inovação em Lisboa» [link]

«Android. As 10 apps que marcaram o ano 2016» [link]



Liderar Innovando ES
Discursos e innovación | Ideas e innovación | Inventos e innovación | Recursos e innovación

«'Apps' versus negocios tradicionales, un debate que apenas está por empezar» [link]

«Innovador sistema que captura el dióxido de carbono mediante grafeno» [link]

Smartfuel, una nueva forma de pagar el repostaje [link]

«Una aplicación para detectar el bullying, la innovación más social. El proyecto "I-Sen" gana el "Gijón Socialweekend", evento que desarrolla ideas con la premisa del beneficio común» [link]



Mener avec Innovation FR
Discourses et innovation | Idées et innovation | Inventions et innovation | Ressources et innovation

«Innovation: une application pour aider les personnes atteintes de troubles auditifs» [link]

«RTE mise sur l’innovation avec l’application éCO2mix» [link]

«Près de Toulouse, une entreprise vient de créer le premier vélo hybride de France» [link]

«L'appli conçue à Limoges CaraMaps part à la conquête de l’Europe» [link]



Leadership & Innovation EN
Discourses and innovation | Ideas and innovation | Inventions and innovation | Resources and innovation

«Amazon Web Services (AWS) is looking for Canadian applications for its Cloud Innovation Challenge» [link]

«Sapho raises $14M to turn old enterprise software into modern apps» [link]

«New app Perspecs News challenges readers' belief systems - by offering THREE sides to every story» [link]

«Kony Promotes Digital Innovation With the Launch of Its New App Playground Event Series» [link]




Liderar Inovando BR Liderar Inovando PT Liderar Innovando ES
Mener avec Innovation FR Leadership & Innovation EN


L&I Media


ABB adquire B&R e consolida sua liderança em automação industrial [link]

FC Porto transforma experiência do público na área empresarial do Estádio do Dragão [link]

Agencia Judía lanza el Programa de Liderazgo Adaptable [link]

La société bordelaise eDevice remporte le Frost & Sullivan Award 2017 [link]

AARP, in collaboration with MedCity News, presents the inaugural 50+ Innovation Leaders [link]



L&I Scholar


Fundação Clinton lança concurso para desenvolvimento de soluções frente aos desafios globais [link]

José Leitão e Tiago Fernandes: Partido Socialista: o que falta fazer [link]

Las empresas buscan cursos cortos, a medida y aplicables [link]

L’AUB partenaire du gouvernement [link]

As enrollment falls, Innovative Arts Academy restructures leadership [link]



L&I Blog


Venâncio Velloso: Que líder você precisa para comandar a transformação digital do seu negócio? [link]

Um em cada dois adultos utiliza a banca digital [link]

Seis claves para que las pymes no dejen escapar el talento digital [link]

Espace audiovisuel: ‘Business Day’, l’opération de charme de la Rti [link]

Rajesh Aggarwal: The spirit of Innovation [link]





Licencia Creative CommonsLicencia Creative Commons
Atribución-NoComercial 4.0 Internacional





Liderança das empresas: menina já entra | Alexandra Correia @Visao_pt








2017/04/21

«Android. As 10 apps que marcaram o ano 2016»



Dinheiro Vivo @dinheiro_vivo



«Nesta seleção, feita pela Aptoide, figuram as 10 apps que registaram maior número de downloads ao longo do ano bem como as que se diferenciaram pelo seu grau de inovação e de utilidade, de acordo com a avaliação feita pelos especialistas desta App Store.

»Os jogos marcam este Top 10, sendo a posição cimeira ocupada pelo Pókemon Go, o jogo de realidade aumentada que revolucionou em 2016 o mercado dos jogos para dispositivos móveis. Os jogos de conquistas medievais Clash of Clans e Clash Royale ocupam, respetivamente, o segundo e o terceiro lugares.

Os jogos marcam este Top 10.

»Em quarto lugar surge o Snaptube, uma aplicação que permite fazer downloads de vídeos e músicas de sites como o Youtube, seguido do jogo Slither.io que desafia os jogadores a comandar uma cobra pelo ecrã.

»A produtividade dos dispositivos também se revelou uma categoria com alguma expressão no mercado das aplicações Android, sendo o sexto lugar deste ranking ocupado pela app King Root, a qual permite o acesso à raiz dos equipamentos e a sua respetiva gestão.

»O futebol dita a sétima e a oitava posições, com a presença dos jogos Dream League Soccer16 e Fifa Mobile. A fechar a lista está o gestor de documentos ES File Explorer, em nono lugar, e o jogo Roblox, em décimo. Saiba mais sobre as apps que marcaram 2016.»





Inovação e recursos

2017/04/20

«Android mostrou todo o seu potencial de inovação em Lisboa»



B!T Magazine @Revista_BiT, Mafalda Freire



«O evento iniciou com Bernardo Correia, Country Manager da Google Portugal, que falou da sua experiência na empresa, do rápido crescimento registado nos últimos anos e do ecossistema mobile. O executivo afirmou que “muitas pessoas imaginam que o ecossistema de mobile é apenas o hardware ou o software, mas não é. O ecossistema de mobile inclui todos os empreendedores que criam modelos de negócio que não existiam e que eram impossíveis de existir antes de serem inventados aparelhos como este” fazendo alusão ao smartphone que possuía na mão.

»O Country Manager da Google para o nosso país referiu, também, como a inovação mobile é cost-effective, um “equalizador social e que tem um impacto tremendo na maneira como a sociedade se distribui” e como permite que todas as pessoas, independentemente de onde estão, tenham acesso à informação.

»Em seguida fez alusão um estudo da Boston Consulting Group que indica que a economia mobile gera, na Europa, cerca de 90 biliões de dólares em receitas e 500 mil empregos diretos,.

»“Lisboa é a 5ª maior capital da Europa a nível de startups, o que não poderia ter acontecido sem o ecossistema mobile” afirmou Bernardo Correia, pois “cria canais de distribuição em que qualquer developer português pode criar uma aplicação global em poucos minutos”. Esta facilidade de distribuição pode ser “transformadora do tecido empresarial português”, acrescentou.

»O responsável da Google finalizou com um apelo à ajuda de todos os presentes para “tornar Portugal numa referência, para o resto do mundo, do ecossistema mobile”.

»João Vasconcelos, secretário de Estado da Indústria, falou de startups, inovação e indústria 4.0. Começou por dizer que “a Google tem vindo a assumir uma presença cada vez mais positiva e dinâmica em Portugal” referindo que esta foi uma das primeiras empresas no país a aderir à iniciativa “Indústria 4.0”, que visa ajudar o tecido empresarial português dos diferentes setores a preparar-se para a revolução da digitalização.

»Portugal tem um dos maiores índices de criação de empresas na Europa e João Vasconcelos destacou duas particularidades sobre estas novas empresas, uma é que “10% começam a exportar logo no primeiro ano de vida e a outra é que 50% dos novos empregos que estão a surgir em Portugal são criados por empresas com menos de 5 anos” isto leva a que o Governo esteja focado nestas companhias e tenha criado várias medidas de apoio e projetos de financiamento como o 200M anunciado durante o Web Summit.

»“Há uma revolução digital em curso um pouco por todo o mundo. Esta nova revolução a que se tem chamado a 4ª revolução industrial caracteriza-se pela introdução de um conjunto de tecnologias digitais nos processos de produção, na relação entre os vários intervenientes na cadeia de valor, na relação com o cliente e mesmo nos modelos de negócio. É fácil encontrar sinais de que a mudança já está em marcha em vários setores” afirmou o secretário de Estado. O representante do Governo falou de um exemplo de uma indústria de confecção, que visitou no norte do país na semana passada, em que a empresa melhorou significativamente a sua produtividade ao dar às suas costureiras um tablet com uma aplicação android desenvolvida pelo fábrica.

»Até 2020 está previsto no Programa Nacional de Reformas, um investimento público de quase 2 mil milhões de euros para a transformação digital da economia portuguesa, dos quais serão canalizados 414 milhões de euros para a indústria 4.0, indicou João Vasconcelos.

»“O poder do digital, é ligar o mundo real, analógico à globalização e, este sim, tornará as vossas startups globais, com clientes e com crescimento. Contem com o Governo nessa caminhada” terminou o secretário de Estado.

»O Android enquanto motor de crescimento na Europa e em Portugal foi o tema da palestra de Nicklas Lundblad, Vice-Presidente de Public Policy na Government Relations da Google EMEA.

»O executivo falou da conectividade crescente no mundo em que se espera que existam 25 mil milhões de dispositivos conectados em 2020. “O nosso objetivo é que nos possamos conectar em qualquer local. O Android foi desenvolvido para todos. Acreditamos que todos tem a capacidade de contribuir e criar. O que quisemos fazer com o Android foi criar esse ambiente para que todos possam contribuir ” indicou.

»“A Google tenta manter a inovação como o core de todo o que faz” disse Nicklas Lundblad.

»“Acreditamos que estamos todos melhor se a tecnologia estiver acessível a todos” foi por isso que a Google decidiu investir num sistema operativo mobile open source quando ninguém sabia se isso seria uma boa decisão”, acrescentou.

»Hoje o Android tem 1,4 mil milhões de utilizadores e ajudou a que os preços dos smartphones sejam muito mais baixos, hoje é possível comprar um telemóvel Android por 40 euros. Isto origina 50% da população mundial tenha um smartphone, ou seja, tenha acesso a informação em qualquer lado na palma da mão.

»O responsável da Google EMEA referiu o exemplo de África e de como o ecossistema Android ajudou a que existam smartphones na região ou que alguns países possuam soluções mais avançadas do que alguns países europeus, como é o caso vertente dos pagamentos mobile no Quénia.

»O ecossistema Android que estamos a desenvolver “tem três dimensões: programadores, fabricantes e as operadoras” afirmou Lundblad. A nível dos programadores e das várias apps criadas na Europa e em Portugal, referiu algumas entre elas a da Emel, a Tradiio ou o Spotify.

»Há mais de 1300 marcas que incluem o Android nos seus dispositivos e esse número está a crescer. Encontramos aqui muita inovação com equipamentos que aparecem em nichos de mercado e que sem um sistema operativo open source poderiam levar mais tempo a ser desenvolvidos, alertou o executivo. Os operadores são, igualmente, uma peça fundamental para o ecossistema e o Android tem várias parcerias em todo o mundo.

Há mais de 1300 marcas que incluem o Android nos seus dispositivos e esse número está a crescer. Encontramos aqui muita inovação com equipamentos que aparecem em nichos de mercado e que sem um sistema operativo open source poderiam levar mais tempo a ser desenvolvidos, alertou o executivo.

»Como já tinha sido referido anteriormente pelo County Manager da Google Portugal, o Android é responsável por criaçao de emprego e Nicklas Lundblad voltou a tocar nesse tema , referindo também que a Europa precisa de mais pessoas com capacidades e skills digitais pois cada vez mais os empregos serão nessa área. Assim, a Google sente a responsabilidade de ajudar na educação da população e, em especial, das novas gerações e tem programas como o Udacity que oferece bolsas de estudo aos cidadãos europeus.

»O executivo anunciou que nos últimos dois anos, 2 mil pessoas na União Europeia aprenderam skills digitais nos vários programas do Google e que abriram 10 mil vagas para bolsas de estudo para as quais as inscrições podem ser realizadas no site da iniciativa.

»Lundblad falou também da questão da concorrência e dos “problemas” com a UE pela inclusão de apps nativas do Google no sistema operativo Android. “Estamos convencidos que o ecossistema Android traz mais escolha, mais valor e mais inovação ao mundo que qualquer outra coisa”, afirmou. Em seguida exemplificou como em 30 segundos é possível substituir a barra de pesquisa do Google no Android por outra opção e de como isso demonstra que o Google e o Android são “amigos da concorrência”.

»Finalizou dizendo que “o Android está a trazer inovação, está a ajudar-nos a desenvolver novas e interessantes ideias que ajudarão a criar empregos, a criar valor e diversão no mundo”.

»Uma das áreas principais do evento, que decorreu na LX Factory, foi a das demonstrações made in Portugal. Eis algumas das empresas presentes no Android Innovation Day:


»Mimicry Games

»Esta empresa dedica-se a desenvolvimento de videojogos e experiências para realidade virtual. A Mimicry Games foi fundada por Thomas Papa, em 2012, na Holanda mas estabeleceu um estúdio em Coimbra onde trabalha programadora Daniela Fontes. Para esta developer portuguesa “o Android tem sido revolucionário em democratizar o uso de smartphones. A abertura do sistema, a facilidade de desenvolvimento e de distribuição de conteúdo possibilitou o surgimento de novos negócios, e novos modelos de negócio. Do ponto de vista de alguém que cria conteúdo de forma independente é óptimo. Para além disso, Android deu origem uma onda de inovação tecnológica entre os fabricantes de hardware. A razão pela qual VR se tornou acessível ao público tem a ver com o aumento na resolução de displays, resultante da competição entre fabricantes de smartphones.”


»Bloco

»Este estúdio de desenvolvimento de produtos focado em Android tem também escritório em Coimbra, aliás como nos disseram, são vizinhos da Daniela Pinto da Mimicry Games. O Bloco tem blog sobre o desenvolvimento de aplicações Android, organiza as Android Talks sobre o negócio, desenvolvimento e design de aplicações Android. e todas as suas iniciativas têm como objectivo a criação de uma comunidade real de criadores de apps Android em Portugal. Para Sérgio Santos, fundador e programador do Bloco, “o Android trouxe bastante inovação para as plataformas móveis, para além de aumentar os standards de qualidade e design das apps. Para o Bloco em particular, é uma aposta numa plataforma e numa comunidade que valorize a qualidade e design”.


»MeshApp

»Fundada em Portugal em 2013, é uma startup tecnológica baseada na Incubadora de Empresas da Universidade de Aveiro que conta com o apoio do Building Global Innovators, e com escritórios em Lisboa e Boston. Para Rodrigo Moreira Rato, CEO, a MeshApp é mobile first e Android first, por uma simples razão – permite desenvolver e lançar aplicações rapidamente”. São responsáveis pela app Evaristo, inteiramente desenvolvida em Portugal, que agrega conteúdos informativos e lúdicos de uma forma simples, intuitiva e personalizável. Organizando a informação por temas e categorias, a aplicação foi concebida com o objetivo de melhorar a experiência e a forma como hoje acedemos a conteúdos digitais, integrando redes sociais, blogs, canais de vídeo e podcasts.


»Thing Pink

»“A Thing Pink, uma agência digital portuguesa baseada no Android, com escritórios no Porto e em Lisboa. Para José Aguiar, Thing Pink, “O Android ajuda-nos de várias maneiras e torna a nossas vidas muito mais simples e divertidas. Trata-se de uma plataforma que nos permite chegar a vários targets, como também permite criar soluções interactivas, multi-plataforma e disruptivas a uma escala global.


»EMEL

»Para melhorar a experiência dos utilizadores residentes e dos visitantes de Lisboa, a EMEL lançou a App ePark, uma aplicação de pagamento de parques de estacionamento. Com um total de mais de 150.000 utilizadores, o ePark está disponível nas lojas do Android, iOS e Windows, representando mais de 20% da receita de estacionamento da rua da empresa.»





Inovação e invenções

2017/04/19

«Portugueses criam a "app mais segura" para guardar fotos»



Jornal de Notícias @JornalNoticias




A SafeCloud Photos é uma aplicação de fotografia desenvolvida pelo INESC TEC que tem como principal fator diferenciador o modo como guarda as fotos na cloud. A SafeCloud Photos, consegue, por cada foto guardada pelo utilizador, produzir dois ou mais pedaços de informação que espalha por serviços diferentes de armazenamento online, tornando os dados invioláveis. A app está a partir de dia 8 disponível para download gratuito na Play Store (para Android) e na App Store (para iOS).

«A aplicação móvel de fotografias mais segura do mercado é portuguesa e faz parte de um projeto europeu, o SafeCloud, um consórcio liderado pelo INESC TEC (Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência).

»A SafeCloud Photos é uma aplicação de fotografias que se distingue pela forma como guarda as fotografias. Por cada foto guardada pelo utilizador são produzidos dois ou mais pedaços de informação, que se espalham por serviços diferentes de armazenamento online, tornando os dados invioláveis, segundo os investigadores.

»"Cada um dos pedaços em que a fotografia fica dividida não revela absolutamente nenhuma informação sobre a foto, que só pode ser acedida nos nossos dispositivos, pois apenas estes têm acesso simultâneo a todos os pedaços. Não existe, neste momento, nenhuma aplicação no mercado que ofereça o mesmo nível de segurança oferecido pela SafeCloud Photos", explica Francisco Maia, investigador do Laboratório de Software Confiável (HASLab) do INESC TEC, o polo do INESC TEC na Universidade do Minho, e um dos responsáveis pelo desenvolvimento da app.

»De acordo com o investigador, apesar do foco principal da app ser a privacidade, a aplicação de fotografia pretende ser muito completa, permitindo ao utilizador beneficiar de uma privacidade elevada sem ter de abdicar das facilidades já oferecidas por outras aplicações no mercado.

»Outras aplicações como a Dropbox, OneDrive, entre outros exemplos, foram criticados pela falta de segurança que têm. Entre os críticos destas opções está Edward Snowden, assistente técnico da CIA que em 2013 revelou os programas de vigilância dos EUA.

»A nova aplicação de fotografias, que pode ser descarregada de forma gratuita, foi apresentada no INESC TEC, no Campus da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP).»





Inovação e ideias

2017/04/18

«Big Smart Cities. Cascais é a primeira “cidade experimental” para startups»



Observador @observadorpt. Miguel Videira Rodrigues @miguelavr



«Uma passeio de bicicleta junto ao mar, uma caminhada pela vila de Cascais e, ainda, um almoço que tinha sido encomendado há duas horas através de uma plataforma online. Foi assim que fomos conhecer a smart city (“cidade inteligente”) em que Cascais se está a tornar, graças a inovações criadas por startups no programa Big Smart Cities (e não só).

»A quinta edição da competição de empreendedorismo promovida pela Vodafone e pela Ericsson – o Big Smart Cities – abriu as candidaturas, esta segunda-feira, e vai permitir testar algumas das ideias mais inovadoras, na vila de Cascais que que se tornou assim a primeira “cidade experimental” para startups.

»Isto significa que os empreendedores nacionais vão ter um local onde podem testar, em ambiente real, as soluções tecnológicas que estão a desenvolver para aquelas que podem vir a ser as cidades inteligentes do futuro.

»O objetivo do Big Smart Cities é descobrir e apoiar ideias de negócio, de base tecnológica, que sejam capazes de melhorar o dia-a-dia daqueles que passam ou vivem nos grandes centros urbanos do país. Cascais surge como o local de teste ideal, aos olhos das empresas que promovem a competição, devido às estratégias adotadas e às iniciativas desenvolvidas (a nível da mobilidade, eficiência e gestão de resíduos) que tornam a vila uma potencial “cidade exemplo” daquilo que poderá ser uma smart citie. “Cascais não é demasiado grande mas também não é muito pequena”, diz o vice-presidente da Câmara Municipal de Cascais, Miguel Pinto Luz, tornando-a assim o local ideal para testar este tipo de inovações pensadas para os grandes centros urbanos.

»Durante o discurso, Mário Vaz, Presidente da Vodafone Portugal, referiu que “Portugal pode e deve ter um papel relevante” na inovação tecnológica, acrescentando que este projeto pretende “selecionar ideias e apoiar os jovens para que possam passar do powerpoint para o negócio”, prometendo apoio e projeção internacional através do Big Smart Cities e do Vodafone Power Lab – programa de incentivo à inovação e ao empreendedorismo.

»As candidaturas abriram esta quarta-feira e serão aceites até dia 23 de maio. A final do Big Smart Cities decorrerá a 11 de junho.

»Inicialmente, apenas os vencedores do concurso vão poder testar os projetos na vila de Cascais, só depois é que a oferta será alargada a outras startups que apresentem projetos dentro do mesmo âmbito – que proporcionem uma resposta aos desafios que as cidades modernas enfrentam nos dias de hoje. Alguns projetos já se encontram implementados um pouco por toda a localidade (alguns estão fora da vila mas foram trazidos ao local para serem apresentados) e o Observador foi convidado a visitar cada um deles.


»Uma volta de bicicleta

»A primeira paragem foi a Casa da Guia, onde nos foi possível alugar uma bicicleta através da MOBICASCAIS, um projeto focado na mobilidade local que permite requisitar uma bicicleta através da app (Android e iOS), que pode ser recolhida num ponto e entregue noutro. Um dos responsáveis pelo projeto explica que “não são as bicicletas que são inteligentes mas sim a maneira como as podemos utilizar”. A autarquia adquiriu 1.200 bicicletas para este projeto e tem já a funcionar, entre Cascais e São Pedro do Estoril, 14 pontos, estando em fase de expansão para cerca de 75 até ao fim do mês de junho.

»Além disso, a aplicação ainda permite saber quantas bicicletas e lugares estão disponíveis em cada posto de recolha e, dentro da rede de autocarros local e nas carreiras que façam parte do projeto, quanto tempo falta até ao próximo transporte. Com a parceria feita com a CP foi possível reduzir os custos dos passes de transportes em 26% do seu valor. Além da aplicação, é possível utilizar um cartão ou uma pequena moeda (preparada para tal) para requisitar uma bicicleta.


»Energia de forma mais eficiente

»Das bicicletas passámos para o Museu da Vila, que ainda se encontra em fase de construção mas que conta já com o Vodafone Smart Energy, uma solução de monitorização e gestão de energia de edifícios. O sistema permite controlar os gastos de cada aparelho, analisar os consumos gerais, controlar o que fica ligado e o que é desligado assim como, de forma remota, possibilita ao utilizador desligar qualquer um dos equipamentos ligados à corrente.

»No museu, o sistema possuí sensores que conseguem perceber quando uma (ou mais) pessoa está junto a alguma vitrine e ajusta, automaticamente, a iluminação para proporcionar uma experiência mais agradável. Além disso, é ainda capaz de analisar a quantidade de pessoas que se encontram dentro da sala para criar um mapa de calor que permite perceber qual a peça a que as pessoas dedicaram mais tempo.


A quinta edição da competição de empreendedorismo promovida pela Vodafone e pela Ericsson – o Big Smart Cities – abriu as candidaturas, e vai permitir testar algumas das ideias mais inovadoras, na vila de Cascais que que se tornou assim a primeira “cidade experimental” para startups.

»Uma grande vila produz grandes quantidades de lixo

»A paragem seguinte foi num pequeno parque no centro da vila de Cascais. O foco principal era o sistema de Gestão de Resíduos e de Sensores de Enchimento das Ilhas Ecológicas – Cascais Smart Waste, que permite poupar os recursos técnicos e financeiros que tratam da recolha de desperdícios. Através deste sistema, a vila de Cascais consegue reduzir o número de quilómetros efetuados, de circuitos realizados e a frequência de recolha, assim como as emissões de CO2 (dióxido de carbono). Este sistema implementado permitiu poupar 264 toneladas de emissões de CO2 em 2014.

»Com estes sensores é possível determinar o nível de lixo existente em cada contentor das ilhas ecológicas, permitindo gerir, de facto, quais são os locais que precisam que se efetue uma recolha e quais é que podem esperar mais uns dias. Ao evitar viagens “desnecessárias” (nos casos em que os contentores ainda estão muito vazios, por exemplo) conseguem evitar fazer percursos em vão.

»Esta solução conta ainda com uma nova implementação nos camiões de recolha, onde é possível encontrar três novos botões para que os funcionários, ao avistarem algum local que precise de atenção, possam deixar essa indicação durante o percurso; no dia seguinte, será enviado ao local o meio necessário. Por exemplo, caso alguém coloque um eletrodoméstico à porta de casa para ser recolhido, essa indicação pode ser transmitida pelo botão no camião para que alguém passe por lá a efetuar a recolha. Claro que esta medida serve também para outros problemas como é o caso da sinalização vertical que, por noite, chegam a ser reportadas 700 incidências.


»Coimbra junta-se a Cascais para medir os níveis da água

»Depois da apresentação em Coimbra, a solução IoT (Internet of Things ou, em português, Internet das Coisas) criada por três estudantes do departamento de Engenharia Eletrotécnica e Computadores da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra, viajou até Coimbra para mostrar que, além de medir os níveis de forma a poder indicar um possível cenário de cheias, consegue ter utilização também para os reservatórios de água de forma a saber quando se encontram quase vazios.

»Este é um aparelho ultrassónico que, a cada minutos, consegue medir os níveis da água em determinado local e enviar, em tempo real, os valores para o sistema. Desta forma, em Coimbra, o projeto Rio Mondego consegue fornecer informações de níveis de água acima da média que podem causar cheias na cidade. Em Cascais, onde o cenário das cheias não é algo comum, é apresentado como uma solução para prevenir o oposto, as secas, fornecendo informação sobre os reservatórios para que se possa saber quando estão a atingir valores demasiado baixos.


»Iluminação mais inteligente e eficiente

»A iluminação pública não foi deixada de fora e, apesar de ainda não estar implementado por toda a vila de Cascais, o Vodafone Smart Lights é um serviço que permite, através de um sistema integrado de sensores, controlar de forma remota e em tempo real, cada poste de iluminação pública, sem que seja preciso recorrer a uma infraestrutura nova, visto que o serviço está dependente apenas da rede móvel da Vodafone.

»Em cada poste é colocado um equipamento Vodafone Smart Light e assim torna-se possível controlar, de forma independente, cada ponto de luz. É possível ligar, desligar e ativar o modo de poupança do balastro (regulação de intensidade), possibilitando que se criem políticas avançadas compatíveis tanto com lâmpadas tradicionais como LED.

»Um ponto sublinhado pela empresa foi a preocupação com a segurança, o que levou a equipa a utilizar redes especiais para se protegerem contra possíveis ataques informáticos.


»A Ericsson e o Massive IoT

»A empresa sueca Ericsson estima que, em 2022, existam cerca de 18 mil milhões de dispositivos IoT conectados e, com este contexto em mente, apresentaram diversos casos de uso IoT que esperam ver aplicados em diferentes cenários das futuras Smart Cities.

»A Massive IoT, como a Ericsson apresentou, é caracterizada por um número grande de conexões, pequenos volumes de dados, aparelhos de baixo custo e com rigorosos consumos de energia – uma ideia que envolve os edifícios inteligentes com controlos e gestões energéticas automáticas, melhor logística de transportes, gestão de frotas e a monitorização industrial e da agricultura.»





Inovação e discursos

2017/04/17

Newsletter L&I, n.º 144 (2017-04-17)




n.º 144 (2017-04-17)

TAG: # inovação social # innovación social # innovation sociale # social innovation
L&I Media
L&I Scholar
L&I Blog



Index


TAG: # inovação social # innovación social # innovation sociale # social innovation


Liderar Inovando BR
Discursos e inovação | Ideias e inovação | Invenções e inovação | Recursos e inovação

«Mao3D – O programa colaborativo que reúne inovação, tecnologia e inclusão» [link]

«Brasileiros podem escolher diretrizes para plano sobre internet das coisas» [link]

«MIT irá premiar os desobedientes. O Media Lab criou um prêmio de 250.000 dólares para aqueles que romperem com as normas, pois “não se pode mudar o mundo sendo obediente”» [link]

Jamila Venturini e Caroline Burle: «Do acesso à informação à proteção de dados. Um caminho para a participação e cidadania» [link]



Liderar Inovando PT
Discursos e inovação | Ideias e inovação | Invenções e inovação | Recursos e inovação

«Portugal vai acolher conferência europeia sobre inovação social» [link]

«Câmara Municipal de Vila Real de Santo António defende inovação social no combate ao desemprego» [link]

«Braga: Gabinete para a igualdade abre em Abril» [link]

«Implementação do Repositório de Materiais» [link]



Liderar Innovando ES
Discursos e innovación | Ideas e innovación | Inventos e innovación | Recursos e innovación

«El Ministerio de la Juventud (MJ) de la República Dominicana enviará jóvenes a España a programa de emprendimiento e innovación social» [link]

«Zaragoza Activa y la Universidad de Zaragoza reflexionan sobre creatividad e innovación social» [link]

«La innovación social como imperativo para resolver algunos de los desafíos del siglo XXI» [link]

«Ilunion destaca su singularidad en innovación social corporativa basada en “la diversidad y la inclusión”» [link]



Mener avec Innovation FR
Discourses et innovation | Idées et innovation | Inventions et innovation | Ressources et innovation

Maartje De Vries et Janneke Ronse: « Semaine de 30 heures : après la Suède, la Belgique fera-t-elle aussi preuve d'innovation sociale ? » [link]

«Impact, une nouvelle fondation au service de l'innovation sociale» [link]

«Rebondir apres une épreuve: Chacun d’entre nous peut connaître des épreuves de vie que ce soit dans le domaine de l’emploi, la famille, la santé. Nous sommes tous démunis dans ces périodes de chocs» [link]

Jacky Lesueur: «Propositions pour améliorer le financement de l’ESS» [link]



Leadership & Innovation EN
Discourses and innovation | Ideas and innovation | Inventions and innovation | Resources and innovation

«Babson Intensity Track For MBA Students educates to build economic and social value simultaneously» [link]

«Sector and Government Cooperation Key to Social Innovation Success» [link]

«Building a safer, more sustainable society through digital social innovation» [link]

«Al Smith Named Toyota's New Social Innovation Group Vice President» [link]




Liderar Inovando BR Liderar Inovando PT Liderar Innovando ES
Mener avec Innovation FR Leadership & Innovation EN


L&I Media


«Google é a marca mais influente entre os brasileiros, aponta pesquisa do Ipsos», @adnews_com_br [link]

«Ford aposta no futuro com investimento de mais de 345 milhões no Canadá», @automonitorpt [link]

«Lexmark logra numerosos premios internacionales gracias a su permanente innovación», @MadBoxpc [link]

«Kouroussa : 26 acteurs électoraux à l’école du leadership et de la prévention des conflits», @Guineenews [link]

Virginia L. Mason: «@UnitedWay: Young leaders help to strengthen organization’s work», @NorwichBulletin [link]



L&I Scholar


«Congresso de Estratégia Criativa discutirá inovação e liderança em diferentes áreas» @zerohora, Bruna Vargas [link]

«Mensagem de Mohammed VI na cerimónia de arranque do "Fim de Semana da Governação @Mo_IbrahimFdn"», @noticiaaominuto [link]

«La Universidad Peruana de Ciencias Aplicadas (UPC) @UPCedu busca reconocer y potenciar el liderazgo y espíritu innovador de jóvenes», @larepublica_pe [link]

«Cérémonie officielle de clôture de la 5ème Session Du Centre Régional de Leadership YALI Afrique de L’ouest Dakar», @dakaractu [link]

Ian Powell (@ASMSNZ): «Clinical Leadership & Medical Workforce in DHBs», @ScoopNZ [link]



L&I Blog


José Aníbal: «A inspiração da liderança e os grilhões do passado», @JornalOGlobo [link]

«Audi e Porsche em paz. Menos no veículo eléctrico», @observadorpt [link]

.@GabyTeasdale: «Estimular la innovación» vía @LaNacionPy [link]

.@valtech_: «On veut que 30% de nos sources de revenus dans trois ans soient nouvelles», @Infopresse [link]

.@peteralkema: «New imperatives for leadership and innovation», @Bizcommunity [link]





Licencia Creative CommonsLicencia Creative Commons
Atribución-NoComercial 4.0 Internacional





FC Porto transforma experiência do público na área empresarial do Estádio do Dragão








2017/04/14

«Implementação do Repositório de Materiais»



APRUPP (Associação Portuguesa para a Reabilitação Urbana e Proteção do Património)



«É com muito gosto que anunciamos o lançamento do Repositório de Materiais, em fase piloto, que está a ser desenvolvido pela APRUPP.

»Trata-se de uma Rede de Repositórios de Materiais de Construção antigos ou usados, provenientes de obras de demolição, com potencial de reutilização e Catalogação on-line.

»A Catalogação on-line está disponível ao público em aprupp.org/materiais.


»O Repositório de Materiais tem como Missão:

»_ Salvaguardar e disponibilizar materiais de construção antigos, possibilitando reabilitar edifícios com materiais contemporâneos da construção;

»_ Proteger e valorizar o património construído de forma integrada;

»_ Divulgar e valorizar os saberes construtivos tradicionais e a identidade local;

»_ Sensibilizar a sociedade para uma economia de recursos e proteção ambiental.


»Como projeto inovador, o Repositório de Materiais tem conquistado o público, tendo obtido uma Menção Honrosa e Prémio de Incubação pelo Centro de Inovação Social do Porto, bem como Bolsas do Passaporte para o Empreendedorismo, promovidas pelo IAPMEI, e mais recentemente foi Finalista no Green Project Awards.»





Inovação e recursos

2017/04/13

«Braga: Gabinete para a igualdade abre em Abril»



Correio do Minho @correiodominho. Patrícia Sousa



«Em Abril, a Câmara Municipal de Braga vai abrir o Gabinete de Informação e Acompanhamento para a Igualdade (GIAPI) na Rua de S. Domingos, em S. Victor.

»A novidade foi avançada, ontem, pelo vice-presidente da Câmara Municipal de Braga, Firmino Marques, na sessão de abertura do Seminário ‘Violência nas relações de intimidade’, que se realizou no Museu D. Diogo de Sousa.

»Entretanto, Braga vai disponibilizar três apartamentos para acolher famílias vítimas de violência, já em fase final de reintegração e inserção social.

»O combate à violência “não dispensa ninguém nesta área social”, apelou o vice-presidente da autarquia, lembrando que “desde que se tenha conhecimento de alguém que padece desta problemática tem que se produzir um lobbie para combater este flagelo”.

»Os números, continuou Firmino Marques, “são altamente preocupantes, mas estabilizaram” e isso prova que “as pessoas confiam mais na ajuda disponibilizada e a denúncia é feita com mais segurança”.

»Neste momento, os três técnicos que vão integrar o GIAPI já estão a fazer formação específica, tendo como “parceiro estratégico” a Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género.

»Entretanto, acrescentou o vice-presidente, “vão ser disponibilizados três apartamentos na cidade para acolher famílias, de qualquer parte do país, que estejam a começar uma nova vida”.

As pessoas merecem privacidade e não têm que repetir vezes sem conta o que aconteceu.

»Em representação da secretária de Estado para a Cidadania e a Igualdade, o vice-presidente da Comissão para a Cidadnia e Igualdade de Género, Manuel Albano, começou por elogiar que “Braga tem sido muito inovadora nesta área”, quer em termos de investigação, através da Universidade do Minho, quer em termos de recursos humanos.

»Sobre a implementação do Programa More +, cuja carta de compromisso foi assinada ontem, Manuel Albano referiu que “é a prova viva da inovação social e intervenção junto da vítima”. Este programa piloto vem, ainda nas palavras daquele responsável, “colmatar uma lacuna no acompanhamento das vítimas, já que vai ajudar psico-emocionalmente a vítima”, podendo ser aplicado depois a outros locais do país.

»O presidente da União de Freguesias de Maximinos, Sé e Cividade, Luís Pedroso, exigiu mais competências para as juntas de freguesia nesta área. E justificou: “temos um papel importante junto dos nossos fregueses, somos os primeiros a estar em contacto com a população e a sinalizar. Estas situações aparecem mais vezes do que desejaríamos”.

»E Luís Pedroso foi peremptório: “chegou a altura de dar competências a quem está no terreno, as juntas de freguesia têm um papel muito importante nesta área”.

»O presidente daquela união de freguesias deixou ainda o recado, em jeito de “grito”: “os governantes têm que começar a olhar para Braga como a terceira cidade, que precisa ter PSP e GNR com condições para receber este tipo de problemáticas. As pessoas merecem privacidade e não têm que repetir vezes sem conta o que aconteceu”.»





Inovação e invenções

2017/04/12

«Câmara Municipal de Vila Real de Santo António defende inovação social no combate ao desemprego»



Mais Algarve. Fonte: GCSP do Município de VRSA



«O presidente da Câmara Municipal de Vila Real de Santo António, Luís Gomes, defendeu, esta sexta-feira, em Bruxelas, no Comité das Regiões da União Europeia, que os projetos de inovação social podem constituir importantes instrumentos para o combate ao desemprego jovem, para a inclusão de pessoas com maiores dificuldades em entrar no mercado de trabalho e para a revitalização de territórios mais periféricos.

»Esta foi uma das propostas do autarca vila-realense ao projeto de parecer «A inovação social como novo instrumento de criação de crescimento e emprego», apresentado na Comissão da Política Social, Educação, Emprego, Investigação e Cultura (Sedec) do Comité das Regiões, da qual faz parte.

»Para o Comité das Regiões, os atuais desafios sociais têm um caráter transfronteiriço e, na Europa, acabam frequentemente por ter de ser enfrentados pelos órgãos de poder local e regional.

»Por isso mesmo, Luís Gomes considera que a inovação social desempenha um papel importante no fomento da coesão social, económica e territorial, sendo recomendável que a UE tenha um papel facilitador e de ligação e faça uma articulação pragmática entre os diversos níveis de governação.

O reforço das ferramentas de literacia tecnológica são igualmente instrumentos importantes para combater o desemprego de longa duração nas gerações mais velhas.

»Tendo em mente que a inovação social constitui um instrumento decisivo para fazer face aos atuais desafios sociais e para melhorar a qualidade de vida dos cidadãos europeus, Luís Gomes propõe que os projetos socialmente inovadores devem ser combinados com suportes tecnológicos, pois produzem melhores soluções para os cidadãos, e têm maiores impactos na sociedade e na economia em geral.

»Esta exigência é tanto maior, uma vez que existe hoje, por parte dos cidadãos, um nível de exigência superior, ao mesmo tempo que as suas qualificações são mais elevadas, pelo que pretendem cada vez mais melhorar os seus padrões de qualidade de vida.

»Da mesma forma, Luís Gomes relembra o papel que a economia social pode desempenhar nesta conjuntura, uma vez que o setor representa uma oportunidade de crescimento e de combate à crise económica e é atualmente responsável por 14 milhões de postos de trabalho no contexto europeu e por 10% dos negócios na Europa.

»Para o também autarca, que já apresentou à Comissão Europeia diversas recomendações no domínio da economia social, o reforço das ferramentas de literacia tecnológica são igualmente instrumentos importantes para combater o desemprego de longa duração nas gerações mais velhas, onde o cenário de desemprego de longa duração e as dificuldades de reingresso ao mercado de trabalho são fenómenos sociais crescentes.»





Inovação e ideias

2017/04/11

«Portugal vai acolher conferência europeia sobre inovação social»



Jornal de Notícias @JornalNoticias. Foto: Fábio Poço / Global Imagens



«A ministra da Presidência revelou que Portugal vai acolher a 27 e 28 de novembro uma conferência da Comissão Europeia, à qual o comissário europeu Carlos Moedas chama a "WebSummit" da inovação social.

»"Ainda não posso dar muitos detalhes porque estamos a fechar o programa em colaboração com a União Europeia (UE) e a Fundação Calouste Gulbenkian. É uma conferência sobre inovação social da Comissão Europeia, que terá lugar nos dias 27 e 28 de novembro em Lisboa, sob o patrocínio do senhor comissário Carlos Moedas", disse Maria Manuel Leitão Marques.

»A governante, que falava aos jornalistas na 4.ª Conferência de Gaia "Inovação Social", que esta sexta-feira de manhã decorreu no Centro Paroquial de Santo André de Canidelo, concelho de Vila Nova de Gaia, revelou que o Governo foi desafiado a ser anfitrião e a colaborar com a UE neste evento, convite que "aceitou com muito gosto".

»"Ele [Carlos Moedas, comissário europeu para a Investigação, Ciência e Inovação,] chamou-lhe a WebSummit da inovação social. Pode ser um bocadinho exagerado, mas é verdade que a inovação tem de dialogar entre si. Há inovação no setor privado e hoje a inovação também é uma condição de relevância para o setor público. E também há inovação na forma como prestamos apoio social para os problemas velhos e para os novos e mais complexos que temos de enfrentar", defendeu Maria Manuel Leitão Marques.

Ele [Carlos Moedas, comissário europeu para a Investigação, Ciência e Inovação,] chamou-lhe a WebSummit da inovação social. Pode ser um bocadinho exagerado, mas é verdade que a inovação tem de dialogar entre si. Há inovação no setor privado e hoje a inovação também é uma condição de relevância para o setor público. E também há inovação na forma como prestamos apoio social para os problemas velhos e para os novos.

»A ministra da Presidência e da Modernização Administrativa referiu, ainda, que o Governo lança segunda-feira uma das linhas de financiamento do Portugal Inovação Social, sendo esta dedicada à capacitação.

»A governante explicou tratar-se de uma vertente que poderá servir instituições com candidaturas sobre comunicação e marketing, competências digitais ou uso de novas tecnologias, entre outras áreas.

»Maria Manuel Leitão Marques frisou que o programa Portugal Inovação Social está a abrir espaços a candidaturas "por fases", tendo um total de 150 milhões de euros disponíveis e focando-se no Norte, Centro e Alentejo.

»Já durante o seu discurso, perante uma assembleia composta por autarcas, dirigentes e técnicos de instituições e entidade ligados à solidariedade social e ao empreendedorismo, a ministra recordou que o Portugal Inovação Social "é o primeiro programa dedicado a esta área criado por um Estado membro da UE".

»"O que vos peço é: usem-no. Temos ótimos exemplos de inovação social em Portugal. Exemplos premiados a nível nacional e internacional. O Estado não pode responder isoladamente a todos os desafios. Temos de ter outras respostas de proximidade", disse a governante que, na sua intervenção, enumerou e descreveu vários projetos.

»"As atividades empresariais também podem ter impacto social ou atividades sociais podem ter impacto empresarial. Os problemas exigem que trabalhemos em colaboração. Muitos destes projetos estão a reconstruir um espírito de comunidade que se perdeu lá atrás", referiu Maria Manuel Leitão Marques.»





Inovação e discursos