2017/12/11

Newsletter L&I, n.º 161 (2017-12-11)



the key is the innovation | la clé est l'innovation | a chave é a inovação | a chave é a inovação | la clave es la innovación




L&I (EN)

Innovation is Key to the Future: @CHINAPLAS 2018 Paves the Way to Plastics' Future | @wpressonline [link]

Market-driven innovation is the key to British Columbia's economic growth | Carl Anderson (@bcic), via @BIVnews [link]

The Key to Law Firm Agility and Innovation | @AriKaplan @lawdotcom [link]

Islamic Finance to Support Development & Innovation | Maziar Motamedi, @Fintribune [link]



L&I (FR)

Innovation. Le patron, c'est le consommateur | @LeTelegramme [link]

La quasi-décomposabilité, un concept important pour l’innovation et l’entrepreneuriat | @phsilberzahn [link]

Les lauréats des Trophées Alsace Innovation 2017 : ces champions de l’innovation qui préparent notre avenir ! | @alsaceinno [link]

De jeunes agriculteurs ont un rôle clé à jouer dans la croissance du secteur agricole du Canada | @AAC_Canada [link]



L&I (BR)

Vários pontos de vista, uma só voz: Vários Olhares Singulares (VOS) #arenavos.com.br @grupovale | @gazetaonline [link]

Dez conceitos para entender o futuro dos negócios | David Cohen via @exame [link]

Como utilizar a abordagem multimodal para uma transformação digital bem sucedida | Gabriel Lobitisky via @admnews [link]

O impacto da transformação digital nas lojas físicas. Tipos de tecnologia que vão mudar o varejo | @serhcm via @admnews [link]



L&I (PT)

Mais 10 inovações disruptivas que já estão a mudar o mundo | @EdgarCaetano Marta Leite Ferreira @observadorpt [link]

António Costa quer reforma da moeda única para que seja fator de união na Europa | @rtppt [link]

#Leiria “México: Oportunidades de Mercado e Internacionalização”: seminário organizado pela #cefamol.pt apresenta projecto inovador de parceria para o mercado mexicano | @leiriaeconomica ‏ [link]

Um orçamento de crescimento e de futuro | Pedro Sousa via @correiodominho [link]



L&I (ES)

La innovación en la empresa es ley de vida | @MMonrs (@TACTIO_), vía @el_adelantado, Juana Hita [link]

Con innovación y talento, hay que crear empleo de calidad | Ministra de trabajo Fátima Báñez, vía @expansioncom [link]

Educación, comunicación y talento, las claves de la innovación | Jordi Sevilla, Ricardo de Querol y Josep Piqué #RetinaLTD @elpais_retina [link]

“Si tu empresa necesita un área de innovación, no tiene mucho futuro” | Ernest Quingles (Epson) vía @javier_codo, @elpais_retina [link]








Artur Furtado, candidato a Reitor da @unicv_edu_cv, sonha com uma universidade alinhada com os grandes desafios do país. Propõe uma “liderança baseada na humildade, no respeito pelas pessoas e na valorização de recursos e capacidades” | @santiagoeditora








2017/12/04

Newsletter L&I, n.º 160 (2017-12-04)



SME and innovation | PME et innovation | PME e inovação | PME e inovação | PYME e innovación




L&I (EN)

Innovative SMEs in a Globalized Market: Go Global Strategy | @odjayousi (@AGUeducation), via @newsofbahrain [link]

#Malaysia Sustainability through Technology and Innovation: Recognising achievements of SMEs | @staronline [link]

Boosting #SME, the heart of Europe's economy | @euronews [link]

It Won't Be Japan's Startups That Revive The Country's Innovation, But Its Mid-Sized Tech Firms | @timoth3y (@DisruptingJapan) @ForbesAsia [link]



L&I (FR)

Start-ups innovantes: beaucoup d’annonces pour de timides résultats | Zakaria Boulahya, @Medias24 [link]

Responsabilité des entreprises: au tour de la Suisse d’agir | Jonathan Normand (@BCorpEurope B Lab (Suisse)), via @letemps [link]

Grand gagnant du SME Innovation Award #govmu.org - Vinay Kanhye Health Foods : « Le Moringa fait la fierté de Maurice à l’étranger » | @defimediainfo [link]

[VIDEO] PME et distributeurs, partenaires d'innovation ? | @BFMBusiness [link]



L&I (BR)

Empreendedorismo: Uma abordagem sob a égide do cenário econômico. Manter a força de vendas constantemente motivada e gerar maiores receitas | Amanda Silva Gomes, via @admnews [link]

PMEs que mais crescem são as que mais inovam no Brasil | @naibertao, @exame [link]

Na rota das inovações com as PMEs | @DeloitteBR via @valor_economico [link]

Startup brasileira @easySubsea leva inovação na área de petróleo à Noruega | @exame [link]



L&I (PT)

A importância das redes inteligentes para as PME | António Duarte (@TeldatCorp), via @Revista_BiT [link]

Madeira tem potencial para aproveitar fundos da economia azul: o Mecanismo Financeiro do Espaço Económico Europeu 2014-2021, “Crescimento Azul, Inovação e PMEs” | @dnoticiaspt [link]

PME vão criar mais 70 mil empregos em Portugal #CPPME #cppme.pt | @dntwit, Ilídia Pinto [link]

A @NERSANT promove workshop sobre Inovação e sustentabilidade | @ORibatejo [link]



L&I (ES)

La pyme debe integrar la RSC en su estrategia; la que no lo haga, tendrá una desventaja competitiva | @fernandoibanezf @Etica_EAFI @cerscv, vía @OFontanillo, @eleconomistaes [link]

Efecto ‘Pelopincho’: las pymes se suben al cambio digital para poder competir | @perfilcom [link]

La Región de Murcia, a la cabeza en 'startups' innovadoras @AncesSpain con base tecnológica | @diariolaopinion [link]

Los valores de las empresas familiares. Un antiguo alumno de la EMS-European School of Management, hoy al frente de #Tagua.es, contó su experiencia | @eldia [link]

Extremadura ha sido elegida para desarrollar junto a seis regiones europeas un proyecto de capacitación de las pequeñas empresas en economía verde y circular | @EPExtremadura [link]

Innovación abierta para desarrollar la tecnología del futuro | @jorbernal, @ed_Creativo ‏para @ACCIONA [link]

Convencida de que el desarrollo del país se encuentra en el impulso y crecimiento de sus Pequeñas y Medianas Empresas (PYMES): PitchBull Funding (@PitchBullcom) | @lacronicadehoy [link]

La Asamblea Europea de las pymes, cita anual de las pequeñas y medianas empresas | @euronewses [link]

Turismo apuesta por la innovación para reducir la brecha entre pymes y grandes grupos @Guest_Madrid | @EPturismo [link]

Los @premiosdhlatlas buscan las mejores pymes exportadoras: innovación, productividad y sosteniblidad son las claves | @MuyPymes [link]








António Costa diz que grande desafio da Europa é responder ao medo do futuro | @JNegocios








2017/11/27

Newsletter L&I, n.º 159 (2017-11-27)



innovation renovation people | innovation avec personnes renovation | inovação pessoas renovação | inovação pessoas renovação | innovación renovación personas




L&I (EN)

Does choral music really have a bright future? | Gregory Batsleer, @GramophoneMag [link]

Without Innovation Iran Auto Industry Will Soon Be a Dinosaur | @Fintribune [link]

How machine learning is helping Virgin boost its frequent flyer business | @ZDNet, @TasnuvaB [link]

Creativity drives innovation; Renovation Drives Profit [link]



L&I (FR)

« L’économie sociale et solidaire a un énorme potentiel de croissance ». Selon Nicolas Hazard, président de la société d’investissement Inco, l’ESS a un rôle à jouer dans plusieurs secteurs porteurs. [link]

L'innovation au cœur de l'économie | @ladepechedumidi [link]

Joueur majeur dans la recherche et l'innovation : le CAT-B (Centre d'accès à la technologie en bio-innovation) associé à La Cité | Benoit Hudon, @LeDroitca [link]

Le Centre d’accès à la technologie en bio-innovation – Nathalie Méthot, La Cité | Canada Foundation for Innovation / Fondation canadienne pour l'innovation (@InnovationCA) [link]

.@Toyota ‏ : La mobilité pour tous partout grâce à l'innovation « Start Your Impossible » [link]



L&I (BR)

Inovação deve ser uma política de Estado | @portogente [link]

O que a eleição do Chile revela sobre renovação na política | Matheus Pimentel via @NexoJornal [link]

Inovação tecnológica muda o perfil da sericicultura | @governodoparana [link]

Inovação, arranjo produtivo local e desenvolvimento regional | @IFSaoPaulo [link]



L&I (PT)

Renovação dos serviços «perde-se» sem os jovens médicos no SNS | Miguel Guimarães via #justnews.pt [link]

A transformação digital do mercado da publicidade em Portugal | João Gomes de Almeida via @ECO_PT [link]

Bragança começou a renovar frota automóvel municipal com viaturas elétricas | @dinheiro_vivo, Lusa [link]

Empresas têm de inovar na própria inovação [link]



L&I (ES)

Los nuevos retos comerciales que trae la revolución digital | @elenaarrieta @Expansion_ED [link]

El Centro Internacional Santander Emprendimiento (CISE) de la Universidad de Cantabria (UC) liderará el proyecto eueopeo BLUES (Blended-learning International Entrepreneurship Skills Program) para mejorar las habilidades emprendedoras de los universitarios | @eldiarioescan [link]

Construcción sostenible. Un concepto innovador, un sector de futuro: Congreso Europeo sobre Construcción, Habitabilidad, Economía y Liderazgo, ePower&Building (@epowerbuilding) THE SUMMIT. 1st European Congress of Building, Liveability, Economy and Management [link]

La cultura innovadora es iniciar un camino sin retorno donde debemos convertimos en eternos aprendices [link]








Portugal "no grupo dos campeões" da inovação na Administração Pública | @RTPNoticias








2017/11/20

Newsletter L&I, n.º 158 (2017-11-20)



innovation culture | culture de l'innovation | cultura da inovação | cultura da inovação | cultura de innovación




L&I (EN)

When family can slow Singapore's efforts to build culture of innovation: Lim Siong Guan | @STcom [link]

Eight Ways To Transform Your Company's Innovation Culture | @tendayiviki @forbes [link]

How leaders can create a culture where innovation thrives | @InsuranceBizUK [link]

Startups Critical to Developing Culture of Innovation | Stephen Whitfield, @SPEtweets [link]



L&I (FR)

Tourisme : se transformer avant d’être « disrupté » | @lemagnumerique, Roland Le Bouëdec [link]

@stquere (@ENGIEInnov) : comment engager les équipes sur les sujets d’innovation ? | @LADN_EU, Mélanie Roosen [link]

Semaine mondiale de l’entrepreunariat : L’innovation et l’économie numérique au cœur de la célébration | @LeSoleilonline [link]

Le premier forum féminin de l'innovation Nova XX (#novaxx.eu) se tiendra en décembre aux Halles St-Géry | @RTBF [link]



L&I (BR)

A inovação como ferramenta de crescimento nas organizações | @incorporativa [link]

Impacto da Universidade de São Paulo na sociedade passa pela inovação | @usponline [link]

Como aplicar a tecnologia e a inovação no mercado de seguros | Ricardo Abreu, @admnews [link]

Educação e inovação, nossos maiores desafios | Marcus Pestana via @PortalOTEMPO [link]



L&I (PT)

Lisboa e Paris assinam acordo sobre economia criativa e empreendedorismo | @dnoticiaspt [link]

Empresas vão ter de decidir como querem inovar | @expresso, Ana Baptista [link]

Ser individualista. O individualismo facilita a inovação. O colectivismo, a acção colectiva | Fernando Ilharco via @JNegocios [link]

Inovação: na Escola e pela Escola | António Costa Silva e Manuel Carmelo Rosa, via @observadorpt [link]



L&I (ES)

Innovation Land @ANDI_Colombia, acelerando la innovación | @JuanCQuinteroM, @elcolombiano [link]

Talentocracia, el liderazgo de la Era Digital | Salvador Molina vía @mediatuits [link]

Cómo crear una cultura de innovación continua | Sebastián Rojas, de WSNpro, vía @MBA_AEconomia [link]

Los grandes proyectos de innovación de los pequeños pueblos de España, en @alcinnovacion | @felixpalazuelos, @el_pais [link]








II Cimeira sobre Inovação em África (Ruanda, 2018): Desafios do continente no centro das atenções | @ASemanaCV








2017/11/13

Newsletter L&I, n.º 157 (2017-11-13)





«Ferramenta facilita relação entre pais e educadores: tecnologias com impacto positivo»

«Mercado do CE busca inovar para crescer. O Inovaconstruir, evento realizado pelo Sinduscon-CE, trouxe cases de inovação tecnológica do mundo para inspirar as empresas do Estado»

«Como a comunicação pode ajudar no crescimento da sua empresa»

«Modelo de gestão do Estado é incentivado»



«É incrível a quantidade de investidores estrangeiros que vieram viver para cá»

«Economia circular, uma revolução silenciosa»

«Grupo Constant (@GrupoConstant) com forte crescimento em Portugal»

«Tornar Portugal um país mais inovador»



«Safran, soutient des start-up, sources d'inspiration»

« COP 23 : Bertrand Piccard “La conscience populaire n'empêchera pas le changement climatique, la loi oui” »

« La journée des villes, l’opportunité pour Lydec (@lydecweb) de réaffirmer son engagement pour l’innovation »

« Révolution digitale : Un nouveau rôle pour les acteurs du numérique ? »



«Uganda: Innovations Facilitating Economic Growth»

«Singapore puts fintech innovation at heart of growth strategy»

«Innovation as key driver of growth for businesses»

«Delivering brand innovation for profitable growth: Ceuta Group (@ceutagroup)»



«Crecimiento más inteligente para las regiones europeas a través de la innovación»

«Expertos reclaman una innovación en la gestión sanitaria. III Reunión de Gestión Sanitaria organizada por la Sociedad Española de Directivos de la Salud (SEDISA) y ALSEDISA»

«AENOR e Innobasque realizarán un diagnóstico adelantado sobre la innovación en las empresas vascas»

«Las predicciones de IDC proporcionan un modelo y las bases para convertirse en una empresa nativa digital»





Governo de Cabo Verde pretende dotar Escolas Secundárias com laboratórios de internet e tecnologia: Liceu Pedro Pires de Ponta verde arranca com centro de ciência e inovação | @ASemanaCV








2017/11/10

«É incrível a quantidade de investidores estrangeiros que vieram viver para cá»



Visão (@Visao_pt), Rui Antunes



«No último dia da Web Summit, Maria Miguel Ferreira, diretora da Startup Portugal, falou à VISÃO sobre o crescimento do ecossistema nacional de startups no último ano. A ex-assessora do antigo secretário de Estado da Indústria, João Vasconcelos, grande impulsionador destas empresas de base tecnológica, está agora numa missão de dinamizar o empreendedorismo inovador em Portugal, através da entidade criada pelo Ministério da Economia para o efeito. Diz notar um interesse cada vez maior dos estrangeiros no nosso modo de vida e reforça a importância de programas de incentivo para captar mais investimento, como o 200M, um fundo em que o Estado português se compromete a investir numa startup o mesmo montante que o investidor trouxer.


»Em que se traduziu a atividade no stand da Startup Portugal nestes três dias de Web Summit?

»Além da agenda intensa, com iniciativas do Estado e das startups a serem aqui anunciadas, funcionou como uma sala de estar da comunidade e uma espécie de montra de alguns dos sucessos e avanços das startups portuguesas.


»Por exemplo.

»Ainda há minutos esteve cá a Beeverycreative, uma startup portuguesa que faz impressões 3D, a anunciar uma parceria com a Agência Espacial Europeia para lançar uma impressora 3D que imprime em gravidade zero. Uma solução particularmente interessante quando temos uma avaria no equipamento no espaço. Estiveram cá os ministros da Justiça e da Economia a anunciar um período de exceção de isenção das taxas de registo de patentes, ou marcas, ou design, para as startups portuguesas.

»O ministro da Economia anunciou o Startup Visa, um novo visto para empreendedores estrangeiros ou talentos que venham trabalhar para Portugal. O CeiiA [Centro de Excelência para a Inovação da Indústria Automóvel, em Matosinhos] e a Startup Portugal anunciaram em parceira o lançamento de uma aceleradora para o setor da mobilidade, que abriu agora inscrições para startups de todo o mundo.

»Uma startup da Nova Zelândia que quer crescer na Europa e nos Estados Unidos, e tem em Lisboa a sua base de operações para estes mercados, anunciou hoje uma parceria com a Altice.


»Cabe à Startup Portugal fazer a ponte entre as startups e as várias entidades que podem influenciar o sucesso delas. Como está a correr essa estratégia?

»Gostaria de destacar a colaboração, nunca antes vista, de entidades públicas e privadas portuguesas, que trabalharam com a Startup Portugal nas últimas semanas, com o apoio do Ministério da Economia, para promovermos Portugal através de uma mensagem comum. A nossa vantagem é que usamos as mesmas ferramentas e falamos a língua deles, o que será igualmente útil nos 25 eventos em que iremos participar no estrangeiro, em 2018.

»Aqui foi também lançada uma plataforma online, chamada Sign up for Portugal, onde as pessoas se podem registar e solicitar informação, sejam investidores, startups que queiram mudar-se para cá ou grandes empresas que estão a pensar em criar unidades no nosso país. A ideia é a plataforma tornar-se um gestor de oportunidades comerciais. Há startups nos Estados Unidos ou na Ásia que ponderam entrar na Europa e Lisboa pode ser a sua base.


»O que as atrai?

»São os tais motivos que usamos para promover Lisboa. O talento, a qualidade de vida, o sol, a abertura cultural, o nível do inglês, a segurança, a proximidade de um centro financeiro como Londres. E não são só startups, também estamos a falar de grandes empresas. Por exemplo, há 3 meses a Mercedes anunciou a criação de um hub digital em Lisboa.

»Há muito que se percebeu a qualidade das nossas universidades e a capacidade de trabalho das pessoas. Na área de Engenharia, somos comparados com algumas das melhores universidades. Em Gestão, temos duas universidades, a Católica e a Nova, entre as 25 melhores da Europa, segundo o ranking doi Financial Times.


Em entrevista à VISÃO, Maria Miguel Ferreira, diretora da Startup Portugal, explica como a forma de olhar Lisboa e Portugal está a atrair cada vez mais a comunidade tecnológica internacional e a fazer sobressair o talento dos gestores e engenheiros portugueses.

»Nota diferenças do ano passado para este?

»Muitas. A primeira Web Summit mostrou Portugal ao mundo. É incrível a quantidade de investidores estrangeiros que vieram viver para cá e observam, a partir daqui, não só o que se passa em Portugal mas noutros centros de atividade económica da Europa.

»O mesmo acontece com fundadores de startups e os grandes grupos económicos, que estão a olhar para Portugal, sobretudo na área do digital, e a pensar em sediar aqui as suas operações.


»Pode partilhar um caso de uma dessas startups que se mudaram para Portugal?

»Há um prédio em Alvalade cheio de escandinavos. Um investidor sueco esteve cá no ano passado e percebeu que estes trabalhadores jovens e sofisticados, com a mente aberta, se calhar não se importavam de vir trabalhar para Portugal. E mudou cinco startups para Lisboa. Naturalmente, nem todos vieram, mas os que vieram estão muito satisfeitos com a qualidade de vida. Já lá fui visitá-los duas vezes e é muito interessante que, além dos novos negócios que se criam, começa a ser uma aposta interessante para as startups mudarem-se para cá.

»Esta geração valoriza muito o estilo de vida e Lisboa oferece condições para se desfrutar. Também gosto de acreditar que os apoios que temos colocado lá fora, com vários instrumentos de incentivo a estas transferências, dão frutos.


»Por estes dias alguma startup decidiu instalar-se em Portugal?

»A Zalando já o anunciou e sabemos que outros se vão seguir, inclusive uma grande multinacional da área digital, mas não podemos ser nós a revelar o nome. Não são decisões que se tomem de um dia para o outro, são processos que demoram meses a fechar. Mas tivemos aqui muitas startups a manifestar interesse, a pedir informações, e já não é só para o continente.

»Uma senhora de Zurique, que tem um negócio na área do marketing, vai mudá-lo para a Madeira daqui a três meses e um senhor, também belga, quer ir para São Miguel abrir um negócio de impressoras 3D para linhas de montagem de fábricas. Apesar de não falar português, contou-nos que o pai era natural dos Açores. A senhora de Zurique veio aqui perguntar sobre a carga fiscal, as pessoas que deve contactar. O nosso papel também é fazer esse encaminhamento.


»Qual a importância da iniciativa 200M, o fundo com participação do Estado?

»É talvez a ferramenta mais interessante neste esforço de atração de investimento estrangeiro. É um fundo público de 200 milhões de euros, em que o Estado investe um valor igual ao do investidor, o que baixa o risco do investimento. É completamente inovador porque elimina o problema que leva startups portuguesas a saírem do país depois de angariarem um ou dois milhões em rondas de investimento.

»Até agora, a carga burocrática para um estrangeiro poder investir cá era tremenda. Os investidores não querem estar a abrir uma entidade jurídica em Portugal, a aprender a lei portuguesa ou a navegar o sistema fiscal português. Este fundo desobriga-os de registar uma entidade veículo ou uma sociedade de capital de risco em Portugal. Poderão investir sendo uma entidade na Ásia, nos Estados Unidos, em qualquer lado. Outra vantagem é que, existindo interesse do investidor, o Estado facilita a operação de compra da sua parte, cobrando apenas um juro baixo. Portugal não quer ganhar dinheiro com isto, só quer não perder.


»O objetivo é fixar as empresas em Portugal?

»É esse e também trazer empresas de fora para cá, como o exemplo que dei dos escandinavos. O nosso ecossistema ainda é jovem, comparado com Londres ou Berlim. Não temos assim tantas startups já numa fase de maturidade que justifique os investidores estrangeiros virem a correr para cá. Portanto, é também uma forma de empresas estrangeiras se deslocarem para cá. A mensagem é: venham investir e o Estado investe convosco.


»Quais os critérios de aceitação de um investidor?

»Tem de ter um historial de investimento demonstrado, experiência no setor onde se propõe investir e estar a gerir outros ativos. Não pode ser alguém que aparece de repente não se sabe de onde.»





2017/11/09

«Economia circular, uma revolução silenciosa»



Diário de Notícias (@dntwit), Luís Veiga Martins (Sociedade Ponto Verde, SPV)



«A Terra é o nosso recurso mais precioso. Ainda assim, muitas vezes não o tratamos com a devida atenção e valor que merece. A tragédia dos incêndios florestais que abalou o país neste verão veio alertar mais uma vez para as alterações climáticas e para a necessidade de se operar em todos nós uma mudança de mentalidade que leve a uma transformação do nosso comportamento, contribuindo para proteger o nosso planeta. A redução das emissões de gases com efeito de estufa é o tema que, de resto, vai dominar a 23.ª Conferência da Convenção das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas, que está a decorrer em Bona, na Alemanha, e onde se espera que sejam dados passos importantes para estabelecer novas metas de mitigação dos efeitos do aquecimento global.

»Este é um objetivo cada vez mais premente, tendo em conta que a economia mundial tem sido construída assente num modelo linear de negócios - extrair-transformar-usar-rejeitar - que está em risco devido à disponibilidade limitada de recursos. Esta preocupação ganha força quando se estima que, em 2050, se possa consumir 186 mil milhões de toneladas de recursos para sustentar uma economia global com nove mil milhões de pessoas. Consumimos mais recursos do que o planeta consegue produzir. E, por essa razão, se todos os países tivessem a mesma pegada ecológica que Portugal, seria necessário o equivalente a 2,3 planetas.

Este é um objetivo cada vez mais premente, tendo em conta que a economia mundial tem sido construída assente num modelo linear de negócios - extrair-transformar-usar-rejeitar - que está em risco devido à disponibilidade limitada de recursos.

»Por outro lado, existe ainda um elevado potencial de crescimento da reciclagem e de reaproveitamento de muitos materiais, reduzindo o desperdício. Por exemplo, a produção de madeira plástica é algo relativamente recente em Portugal e trouxe para o nosso país a capacidade de reciclagem de determinado tipo de plásticos, anteriormente "desperdício" das estações de triagem da recolha seletiva, incorporando no nosso quotidiano diferentes exemplos de produtos finais nomeadamente ao nível do mobiliário urbano.

»Mas há muitos outros exemplos. Quando mais de metade das emissões de gases com efeito de estufa a nível global estão relacionadas com a gestão de materiais e recursos, não ficam dúvidas sobre a necessidade de melhorar substancialmente a eficiência e a produtividade dos materiais, medidas essenciais para alcançar o Acordo de Paris.

»É preciso pensar numa economia cada vez mais circular, com menor produção de resíduos e melhor aproveitamento do valor dos bens produzidos. A indústria 4.0, considerada por muitos a 4.ª revolução industrial, pode dar um importante contributo. Por exemplo, o design e a engenharia do produto assumem um papel preponderante enquanto impulsionadores do desenvolvimento de produtos inovadores com base em resíduos ou permitirá a sua mais fácil reciclagem. Esta é uma revolução silenciosa que pode beneficiar em muito do conhecimento científico, do desenvolvimento tecnológico e da inovação empresarial. Se a primeira revolução industrial veio de certa maneira contribuir para gerar uma quantidade de resíduos sem precedentes, esta nova revolução tem o poder de os eliminar ou reduzir e ao mesmo tempo criar valor para a economia do país. Está nas nossas mãos.»





2017/11/08

«Grupo Constant (@GrupoConstant) com forte crescimento em Portugal»



Human. Recursos humanos e gestão



«Um ano após chegar ao mercado nacional, o Grupo Constant, originário da Catalunha, conta já com quatro escritórios em Portugal (Lisboa, Porto, Águeda e Viana do Castelo) e uma equipa em crescimento, que conta com uma larga experiência de gestão nos diferentes sectores de atividade e que agrega já um grupo de 20 colaboradores na sua estrutura direta e mais de 650 colaboradores colocados.

»A country manager do Grupo Constant no nosso país, Andrea Nunes, faz por isso um balanço positivo do ano de 2017:

»“Orgulho-me de até esta altura já termos ultrapassado os objetivos propostos para Portugal e de termos tido a capacidade de desenvolver um set-up da organização em Portugal, ao mesmo tempo que registamos um crescimento de negócio acima do definido.”

O Grupo Constant propõe-se para o ano de 2018 dar continuidade a um crescimento sustentado, com enfoque naquilo que considera os fatores críticos de sucessos dos negócios dos seus clientes: pessoas, processos e informação.

»O Grupo Constant propõe-se para o ano de 2018 dar continuidade a um crescimento sustentado, através do incremento de novas áreas de negócio que já desenvolve há largos anos em Espanha, com sucesso comprovado, trazendo conceitos inovadores de gestão, com enfoque naquilo que considera os fatores críticos de sucessos dos negócios dos seus clientes: pessoas, processos e informação.

»O Grupo Constant opera em várias áreas diferenciadas como Logística, Indústria, Field Marketing, Facilities e Hotelaria, entre outras, com uma estratégia diferenciadora baseada na avaliação e na gestão rigorosa de processos, procedimentos e indicadores-chave de performance e produtividade nas operações dos seus clientes, com equipas especializadas em cada negócio.

»Ao mesmo tempo procura desenvolver e implementar as melhores práticas em termos de gestão de recursos humanos, ao nível do recrutamento, do desenvolvimento, da formação e da retenção das suas pessoas.»





2017/11/07

«Tornar Portugal um país mais inovador»



Pedro Janeiro, Observador (@observadorpt)



«0,60% é o investimento das empresas portuguesas em investigação e desenvolvimento (I&D), medido em percentagem do nosso PIB. Os dados são do Eurostat e referentes a 2015, mas permitem comparar o quanto reduzido é o nosso investimento empresarial em I&D quando comparado com a média da União Europeia a 28 (UE28), que se situa nos 1,30% do PIB! Portugal investe menos de metade da média dos Estados-membros, ficando muito atrás do investimento realizado pelas empresas alemãs, com 1,95% do seu PIB, da Áustria, com 2,18%, da Bélgica com 1,77% ou da Eslovénia com 1,69%, por exemplo!

»Se, por um lado, estamos atrás no que toca aos indicadores de I&D empresarial, por outro, e em relação ao esforço nacional total para o nosso país poder ser mais inovador e conseguir crescer mais, os nossos resultados também deixam muito a desejar. A média de investimento total em I&D da UE28 é de 2,03%, contra os 1,28% do total de Portugal. O próprio subsetor Estado em Portugal investe muito pouco quando comparado com os seus congéneres europeus: apenas 0,08% do PIB em Portugal contra 0,24% na UE28. A título de exemplo, o Estado na Bulgária investe 0,20%, na Estónia investe 0,16% e na Espanha 0,23% do PIB. Em toda a UE, apenas em três países encontramos subsetores Estado a investir menos que o Português.

»O investimento em I&D é fundamental para as nossas empresas serem mais produtivas. Com melhores produtos e produtos mais inovadores, conseguimos aumentar o valor acrescentado que é revertido para a nossa economia, conseguimos exportar mais e assim podemos também gerar maiores lucros e mais emprego no nosso país.

»Mas o investimento sem resultados ou sem direção é um investimento estéril. O investimento de um país, seja do Estado ou das empresas, não se realiza nem por decreto nem por lei, nem se pode realizar para cumprir com objetivos generalistas e não alinhados com as necessidades das populações ou das empresas. Existem certamente problemas para resolver, muitos problemas… E, se ambicionarmos ter uma economia mais competitiva e inovadora, capaz de gerar mais empregos e empregos mais bem pagos, porque não começamos a listar problemas e a atuar, todos juntos, para os resolver?

»As nossas empresas necessitam de investir mais em I&D. Sim, em I&D. Mas um I&D com resultados práticos e orientados para o aumento do valor económico. Em Portugal, estamos habituados a ouvir discursos sobre a importância da inovação e das suas metas que temos de ambicionar concretizar. Mas para quê colocar as universidades a investigar mais, para quê incentivar a formação de mais e mais doutorados, quando problemas supostamente simples, como a gestão das nossas florestas, ainda não conseguimos resolver? A Administração Pública e os líderes políticos em Portugal têm responsabilidades nesta matéria. Os agentes públicos têm de ser os líderes da cultura de inovação a nível nacional.

O investimento de um país não se realiza por decreto ou por lei, nem se pode realizar para cumprir com objetivos generalistas e não alinhados com as necessidades das populações ou das empresas.

»Ao Estado e às Autarquias pede-se uma liderança pragmática e orientada para resultados. Todos necessitam de tomar consciência sobre os problemas que existem para resolver, e os agentes públicos devem promover iniciativas nacionais, regionais ou setoriais de promoção da inovação empresarial. A título de exemplo, atravessámos recentemente uma época crítica de incêndios. Se existe a necessidade de proteger as florestas, a propriedade privada e as pessoas, se existe a necessidade de aumentar a produtividade dos nossos meios de combate aos incêndios, porque não tem ainda Portugal as tecnologias mais inovadoras do mundo de combate aos incêndios florestais, os sistemas de informação de gestão da floresta mais avançados ou os profissionais mais bem preparados? Temos universidades, institutos politécnicos, escolas profissionais e temos empresas, muitas empresas, que podem desenvolver tecnologias, novos produtos, novos serviços de prevenção ou de combate aos fogos florestais. Temos bombeiros, militares e temos autarquias interessadas em atuar. Ao que parece todos estão interessados em resolver este problema. Então o que falta?

»Porque não conseguimos, ano após ano, desenvolver as tecnologias mais inovadoras do mundo para combater incêndios? É sabido que o Estado contrata meios todos os anos e despende milhões de euros na contratação dos mesmos e na subsidiação do nosso dispositivo de proteção civil. Talvez o problema seja o esquema da contratação ou o sistema de incentivos que os nossos líderes implementam para resolver estes problemas... Ou talvez seja preferível investir-se o orçamento de I&D público em problemas que não são os prioritários da população. Talvez as autarquias não saibam que podem utilizar as suas escolas profissionais ou os politécnicos e universidades da sua região para desenvolver I&D orientada a resultados...

»Sejamos sinceros nesta análise: todos estamos interessados em agir. Todos estamos interessados em melhores resultados. Se Portugal necessita aumentar o seu investimento em I&D para se tornar uma economia mais competitiva e próspera, o nosso Estado e os nossos autarcas têm aqui uma boa oportunidade para alinhar os interesses das empresas e dos nossos empresários com os interesses das populações e da floresta que supostamente devem defender.

»Façamos de Portugal o país mais inovador do mundo e particularmente, o pioneiro na gestão da floresta, da biodiversidade e no combate aos fogos florestais. Tornemos as nossas empresas as principais exportadoras do mundo em tecnologia de combate aos incêndios. Tornemos os nossos bombeiros os melhores do mundo. Que todos no mundo possam olhar para Portugal como um país que resolve problemas sérios com o esforço e a envolvência de todos, alinhando o seu Sistema Científico e Tecnológico Nacional (SCTN) com as prioridades públicas. Coloquemos as nossas universidades e politécnicos a colaborar com as nossas empresas. Se muitos procuram negócios bons para fazer, será que o negócio de gerir a floresta e evitar que todos os anos milhares e milhares de hectares sejam destruídos, e vidas humanas sejam perdidas, não é negócio que interesse a todos?


»Pedro Janeiro é economista e especialista em inovação.»





2017/10/30

Newsletter L&I, n.º 157 bis (2017-10-30)
Notícias sobre inovação outubro 2017







“O papel de Portugal é reconhecido no campo da inovação e, agora, as ‘startups’. Há 500 anos, lançávamos caravelas, agora lançamos ‘startups’” | @ojeconomico [link]

A era do impacto social. A @apsa_portugal tem uma resposta social pioneira em Portugal na área do Asperger | David Gaivoto @Publico [link]

Criatividade e inovação na escola em debate na Gulbenkian | @dntwit [link]

É possível conciliar tradição e inovação tecnológica? Lições do mundo da moda e do luxo... | Celine Abecassis-Moedas, @observadorpt [link]

Numa sociedade colonial é muito difícil instituir liderança democrática porque todos querem o autoritarismo ou o populismo | FHC via @brasil247 [link]

Gartner Symposium/ITxpo, perspectiva estratégica das tendências emergentes que moldam a TI e negócios | @Gartner_inc [link]

Por que um membro indisciplinado acaba com a equipe inteira | Alexandre Rangel, @exame [link]

Tecnologias inovadoras de apoio a idosos apresentadas em Coimbra: GrowMeUp H2020 (@GrowMeUp) y CogniWin (@CogniWin) | i9 Magazine [link]

Melgaço: Manoel Batista promete “Município inovador, ecológico, e mais sustentável” | @radiovdm [link]



8.ª edição do Regional Innovation Scoreboard: A Região Centro é a segunda região portuguesa com melhor desempenho em termos de inovação, sendo apenas superada pela Área Metropolitana de Lisboa | @noticiascoimbra ‏ [link]

Processo de Internacionalização para PMEs Inovadoras – Dos and Dont´s | i9 Magazine [link]

ONU procura jovens líderes para impulsionar implementação de objetivos globais | @MundoLusiada [link]

Universidade Lusófona. Formação Avançada em Liderança Islâmica. Iniciativa totalmente inovadora a nível mundial | @ULusofona [link]

#Moçambique Liderar a mudança no feminino | Susana Correia de Campos, @observadorpt [link]

Comissão Técnica Independente para os incêndios na região Centro apresenta recomendações ao @govpt | @revistaSABADO [link]

@UMinho_Oficial inaugura o IB-S, Instituto de Ciência e Inovação para a Bio-Sustentabilidade | @gruposantiago [link]

Agri Innovation Summit @ais_lisbon_2017 arranca em Lisboa para discutir inovação na agricultura | @dntwit [link]

“Ecossistema de inovação vibrante”, @AlphaCoimbra em Coimbra | António Alves, @asbeiras [link]



A inovação e o desafio do emprego científico (II) | Emídio Gomes, @JornalNoticias [link]

A oportunidade da inovação social: da filantropia ao investimento social | Filipe Jorge Almeida via @JNegocios [link]

Porto Water Match – Um sucesso a criar oportunidades de inovação e futuros negócios no setor da água | Agência Nacional de Inovação (ANI) [link]

Painel de Avaliação da Inovação Regional de 2017. Síntese. Versão PT | @ADeCoesao [link]

Mobile Edge’17 (@boldint @FPComunicacoes) debate a inovação colaborativa e as sociedades digitalizadas | @TeKSapo [link]

Não é possível continuar assim. É o momento de uma nova eleição da liderança: @grantshapps a @theresa_may | @noticiaaominuto [link]

#Liderança: “O combate a corrupção é o mais urgente e vital de todos os desafios”: Congreso @FRELIMONLINE | @verdademz [link]

95% dos CIO preveem que a digitalização transformará o seu papel: 2018 @Gartner_inc CIO Agenda Survey | @ITInsight_news [link]

Mastering the New Business Executive Job of the CIO. Insights From the 2018 CIO Agenda Report | @Gartner_inc via @ITInsight_news [link]



Liderança no departamento jurídico: desafio permanente, experimente!! | L. Barém (@Almeidalaw) via @JotaInfo [link]

ACOS E CEBAL apresentam, em seminário, novas ferramentas genéticas e químicas para identificação da autenticidade de produtos agroalimentares [link]

Caldeira Cabral elogia aposta ganha do têxtil português na inovação e qualidade | @dnoticiaspt [link]

Oito aplicações mostram nas Nações Unidas as apostas digitais de Portugal | @dntwit [link]

Agricultura em #Portugal: 75 projetos, investimento de 20 milhões para inovação | @dinheiro_vivo [link]

Inovação dos Açores passa por envolvimento de todos, diz Rui Bettencourt #azores.gov.pt | @AO_Online [link]

Inovação portuguesa #get2cpt no financiamento do clima apresentada em Nova Iorque | @dinheiro_vivo [link]

Sociedades digitalizadas e inovação colaborativa. Debate no próximo dia 12 no Mobile Edge’17 @mobileedgeevent @boldint | #i9magazinept [link]

O sistema de Justiça de Moçambique: entre a tradição e a inovação | Vladimir Passos de Freitas, @ConJur_Oficial [link]