2016/09/28

«O desenvolvimento de inovação e seus tipos nas empresas em ambiente de incubação: o caso de Portugal» (II). «Conclusões»



José Pedro Carriço Cravo. Instituto Politécnico de Coimbra - Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra. Trabalho de Projeto. Veja-se o anterior postagem do mesmo projeto do autor: «O desenvolvimento de inovação e seus tipos nas empresas em ambiente de incubação: o caso de Portugal» (I). «Questionando a Inovação»




«CONCLUSÕES

»Schumpeter (1941 [Prefacio a Teoria del Desarrollo Economico. Fondo de Cultura Economica, Ciudad de Mexico]) deu luz ao conceito de inovação como hoje o conhecemos. E nunca como antes foi tao discutido, referido e abordado. Contudo, muito ainda há por conhecer sobre os contornos da inovação. A OCDE (2005) aponta o seu impacto como tema que deve ser investigado, mais concretamente, o seu impacto na geração de outputs, descortinando relações com outros fatores.

»Os autores referidos em capítulos anteriores são apenas alguns dos que desenvolveram trabalhos, sob diversas perspetivas da inovação, chegando a algumas conclusões interessantes. A inovação, além de alavancar a performance individual das empresas, potencia o crescimento e desenvolvimento dos sistemas económicos, atuando como o motor da destruição criativa que permitiu ao longo do último século uma generalizada melhoria da qualidade vida das populações, por via da produção em massa de bens que estavam apenas ao alcance de poucos, tornando-os também acessíveis nos mais diversos cantos do mundo.

»Este estudo procurou descortinar um pouco deste fenómeno na realidade portuguesa, questionando de que forma tem contribuído o desenvolvimento tecnológico e a inovação para a criação e sustentabilidade de empresas em ambiente de incubação em Portugal, pretendendo contribuir para uma melhor informação e promover uma futura discussão e análise empírica sobre o impacto da inovação em Portugal e ajudar a melhorar políticas, cujo objetivo visa alcançar os benefícios económicos e sociais da inovação.

»Da análise estatística dos dados recolhidos de 243 empresas, ligadas a 25 incubadoras, foi possível caracterizar a amostra das empresas, quanto aos fatores definidos, bem como testar a associação de alguns desses fatores com o tipo de inovação gerado. Foram confirmadas 3 das 5 hipóteses levadas a estudo, nomeadamente a associação entre o tipo de inovação introduzido no momento de criação da empresa e nos últimos 6 meses e a associação entre o desenvolvimento de atividades de I&D e a origem da empresa com o tipo de inovação gerado.

»Em Portugal, a generalidade das empresas incubadas que inovam, fazem-no ao nível do produto. É sem margem para dúvida o tipo de inovação mais comum, sendo incomparável aos restantes. Este facto levanta a questão do porquê não se desenvolver outros tipos de inovação. Certo é que os benefícios que outros tipos poderão oferecer às empresas, não estão a ser recolhidos, colocando em causa o máximo aproveitamento deste fenómeno. Outra conclusão é de que a origem das empresas e o desenvolvimento de atividades de I&D, são dois fatores relevantes no que diz respeito ao tipo de inovação gerado. As empresas, quando criadas, tendem a gerar desde logo inovações de produto e as atividades de I&D que entretanto desenvolvem são direcionadas, quase exclusivamente, nesse sentido. Por isso é importante questionar o motivo pelo qual não são desenvolvidos outros tipos de inovação e como estes dois fatores, na sua especificidade, poderão ter impacto na geração de diferentes outputs.

»Os resultados obtidos permitem também concluir que nas mais comuns origens de empresas tende-se a gerar inovações de produto, não havendo uma determinada origem em que seja mais comum a geração de um tipo distinto de inovação. Um dos desenvolvimentos futuros poderá se centrar nestes fatores, analisando em concreto quais as fontes de conhecimento a que empresas com determinada origem têm acesso e de que forma é valorizada e tratada essa informação. Também identificar o tipo de atividades de I&D desenvolvidas, e a sua relação com os outputs gerados, poderão orientar as empresas para o desenvolvimento de atividades distintas e, por consequência, a geração de diferentes tipos de inovação. Contudo são também relevantes futuros desenvolvimentos sobre os benefícios dos restantes tipos de inovação.

»Enquanto existem já algumas evidências sobre os benefícios de inovações de produto e processo, ainda há muito para explorar sobre inovações organizacionais e de mercado. Este facto não contribui para o fomento deste tipo de inovações, pelo que estudos futuros sobre estes temas são necessários.

»Mesmo, ao tratarmos de empresas em ambiente de incubação, onde, pelo papel das incubadoras, se terá um maior acesso a conhecimento proveniente das universidades, existe um volume considerável de empresas que simplesmente não inova e que não desenvolvem algum tipo de atividade de I&D que contribuiria para contrariar esse facto. Menos de 1 em cada 3 empresas desenvolve atividades de I&D a tempo inteiro, fator que se torna ainda mais critico quando os resultados indicam uma correlação estreita entre o desenvolvimento de atividades de I&D e a geração de inovação. Contudo não é possível concluir que quem não desenvolve estas atividades também não gera inovação.

»Existem outros fatores, não abordados neste trabalho, que podem assumir um papel igualmente relevante no processo de inovação, sendo necessário apurar de que forma também influenciam este processo, dando lugar a desenvolvimentos futuros. Como referido anteriormente, nunca se discutiu tanto a inovação e, apesar de os seus benefícios serem um dado adquirido, existe um volume considerável de empresas, nos momentos definidos, que não geraram inovação, o que se revela uma evolução negativa desde 2009. É assim relevante questionar sobre o motivo que leva as empresas a não inovar, e mais concretamente, o porque de deixarem de inovar.

»Apesar de algumas limitações, é possível tirar algumas ilações relevantes e descobrir novos caminhos de investigação. Em suma, quanto às empresas, a opção pela inovação não é posta em prática verdadeiramente pelos empreendedores, e, tendo em conta a constante validação dos seus benefícios por diversos autores, torna ainda mais crítico este comportamento. A quem opta por inovar, é necessária uma alocação de recursos noutras áreas, além do desenvolvimento de novos produtos, de forma a promover a inovação de outros tipos, procurando informação em distintas fontes de conhecimento, para que possam tirar o máximo partido deste fenómeno.

»Por fim, são sugeridas futuras linhas de investigação, em temas já referidos, de forma a gerar mais conhecimento que promova e sensibilize empreendedores e organizações e políticas para um melhor comportamento que potencie a inovação em Portugal. Há mais por onde inovar, há mais por onde destruir criativamente e há mais por onde gerar desenvolvimento económico.


»LIMITAÇÕES DO ESTUDO

»Como qualquer estudo, este apresenta algumas limitações dignas de nota. Desde logo os resultados obtidos são objeto da metodologia aplicada, sendo que uma metodologia distinta poderá originar resultados igualmente distintos. A principal limitação deste trabalho prende-se com o instrumento de investigação adotado, o inquérito online, na medida em que instrumentos diferentes, como por exemplo a entrevista, poderão permitir uma análise mais profunda sobre algumas questões abordadas neste trabalho, com questões e opções de resposta mais extensos.

»Devido á natureza do instrumento utilizado, é também possível a existência de alguma falta de entendimento, por parte dos inquiridos, sobre o objetivo de algumas questões, desvirtuando assim a sua resposta, apesar de terem sido seguidas todas as recomendações, como descrito no ponto 3, do capítulo 3. Novamente nesta situação, um instrumento diferente, como a entrevista, teria permitido um maior controlo sobre este fator.

»Outra limitação do estudo prende-se com a representatividade da amostra recolhida, apesar de haver nenhuma amostra que seja verdadeiramente demonstrativa. Contudo, mesmo sendo esta uma questão legítima, o elevado volume de respostas obtidas, que permitiu recolher um volume de dados consideráveis, vem, em parte, colmatar esta questão.

»É necessário ter em conta que este trabalho, como qualquer outro de investigação, é datado, sendo que as conclusões têm que ser entendidas no contexto temporal em que se enquadra. Além do momento de resposta ao inquérito, o mesmo incide sobre momentos temporais definidos, pelo que as mesmas questões sobre momentos temporais diferentes podem dar lugar a resultados igualmente distintos.


»LINHAS DE INVESTIGAÇÃO FUTURA

»O trabalho desenvolvido permitiu retirar algumas ilações sobre o tema a estudo, mas levanta também algumas questões. Investigar o motivo que leva as empresas a inovar essencialmente ao nível do produto, e não outros tipos, permitirá o desenvolvimento de políticas que promovam essas formas de inovação, contribuindo para mais inovação.

»Os benefícios de inovações de produto e processo há muito que são exploradas e discutidas na literatura, contudo ainda há muito para explorar sobre inovações organizacionais e de mercado. Facto que não tem contribuído para o fomento destes tipos de inovações, pelo que investigações futuras sobre as mesmas são necessárias para tal. Neste âmbito, especificar as atividades de I&D desenvolvidas, e a sua relação com os outputs gerados, poderá conduzir ao desenvolvimento de atividades que gerem diferentes tipos de inovação.

»Outra linha de investigação futura prende-se com os resultados agora obtidos, quando comparados com os de 2009. Este facto gera a necessidade de investigar esta evolução negativa, nomeadamente os motivos que levaram as empresas a inovar menos, permitindo que instituições e organismos possam atuar em evitar tendências ainda menos positivas, ou mesmo invertê-las.

»A origem das empresas, ao ser um fator relevante na geração de inovação, torna relevante especificar as fontes de conhecimento às quais as empresas têm acesso e de que forma esse conhecimento é valorizado e tratado na geração de inovação. Neste ponto é relevante a relação entre incubadoras e universidades, o tipo de relação desenvolvimento e o fluxo de conhecimento entre ambas, considerando que entre incubadoras e universidades distintas existem relações distintas.

»Por último é necessário considerar que existem outros fatores não abordados neste trabalho. Fatores que podem assumir um papel igualmente relevante no processo de inovação, sendo necessário apurar de que forma também influenciam este processo, permitindo uma perspetiva mais global sobre este complexo e dinâmico processo.»





Tipologias de inovação
Leituras temáticas

Sem comentários:

Enviar um comentário