2016/09/19

«As Empresas, a Inovação, a Estratégia e os Comportamentos»



ATP - Associação Têxtil e Vestuário de Portugal: Guia de orientação para a inovação e empreendedorismo do Cluster Têxtil Moda nos Vales do Ave e Cavado






«A Inovação acontece sempre que existe espírito empreendedor e em resultado do agente económico pensar, experimentar, perceber, realizar e vender no mercado.

»Como referia, P. Drucker “...a inovação é o instrumento específico dos empreendedores, o meio através do qual exploram a mudança como oportunidade para realizar um negócio ou um serviço diferente”.

»Isto significa que o processo de concepção e venda de um produto ou serviço inovador tem especificidades a ter em conta que podem ser decisivas para o sucesso, tais como:

»- Identificar a oportunidade para o produto ou serviço inovador.

»- Oferta diferenciada para preencher “nichos” ainda não ocupados.

»- Manter a atualização em relação à concorrência.

»- Assegurar bons níveis de produtividade e competitividade.

»[...]

»A influência do ambiente da conjuntura económica é relevante para estimular as capacidades criativas, valorizar as ideias e disseminar os casos de sucesso como exemplos ou modelos de inovação.

»No que refere a fatores pessoais emerge a disponibilidade para assumir riscos, a formação e a experiência como elementos importantes para implementar novas ideias e transformá-las em negócios.

»Um dos recursos mais importantes de uma empresa é o conhecimento que dispõe. No entanto, na maior parte das vezes, o conhecimento de uma empresa é de facto conhecimento de um dos seus colaboradores. Tal gera a possibilidade de as empresas adquirirem conhecimento por contratação mas também a possibilidade de perderem conhecimento com a saída de um colaborador.

»Por isso uma empresa inovadora deve, mais que outra entidade, ter um cuidado muito especial a gerir os seus colaboradores chave. São eles a alavanca da inovação, mesmo quando não gerem directamente ideias inovadoras.

»Os fatores sociológicos e os organizacionais podem ser decisivos devido à importância dos seus efeitos nos relacionamentos, rede de contactos, constituição de equipas, definição de estratégias e no conhecimento sobre o que se poderá contar em termos de burocracia documental, legislação de enquadramento das atividades, eventuais apoios ou condicionamentos, etc.

»Assim, para realizar projectos de Inovação é essencial cumulativamente considerar a situação da conjuntura e a análise dos planos de negócio, estruturados no sentido de avaliar e prever a evolução das técnicas, das variáveis económicas, os recursos humanos e financeiros disponíveis para investir e implementar as acções.


»A inovação implica, na maioria do casos, investimento e risco, e leva a experiências nem sempre bem sucedidas.


»A abordagem aos projetos de inovação deverá ter em conta estes factos o que determina: análises prévias sobre a rendibilidade das vendas, disponibilidade de recursos técnicos e financeiros de suporte aos produtos e serviços inovadores. O foco da abordagem nestes pontos conduzirá ao aumento das probabilidades de sucesso do investimento, considerando a orientação adequada para obter vantagens, quota de mercado e rendibilidade.

»O sucesso das inovações é atribuido, em boa parte, à combinação de três fatores:produto certo, lugar certo, e momento certo. Assim, a intuição ou o “feeling” são aspetos a considerar na inovação, o que não impede que o sucesso ou o fracasso possa ser previamente diagnosticado.

»As probabilidades de sucesso estão associadas aos casos de inovação adaptativa ou incremental caracterizada pela busca permanente de melhoria do desempenho nos atributos do produto ou serviço já existente e mais valorizados pelos clientes. Enquanto que os casos de inovação, dita disruptiva ou radical, relacionados com novo mercado, novo produto ou serviço que pretendem chegar a novos consumidores apresentam elevadas probabilidades de insucesso.

»É um facto que há inovações, radicais ou não, bem sucedidas que não foram planeadas, mas, por princípio, não se pode deixar ao acaso o aparecimento de ideias inovadoras porque as experiências mostram que a inovação só germina em terreno fértil. Dito de outro modo, os processos de inovação e empreendedorismo são viáveis em empresas que o procuram através de metodologias adequadas e quando abrangem modificações de produtos existentes.


»Não há inovação e empreendedorismo sem método, o que requer atitude e disciplina na organização.


»Isto é, exige comportamentos adequados na criação de equipas e de organização e receptividade para as mudanças.

»Existem várias teorias sobre os métodos aplicados ao desenvolvimento de novos produtos industriais que não iremos abordar por nos parecer que o essencial em qualquer método é: tomar a decisão para arrancar com os processos e vencer as resistências à mudança.

»[...]


»As decisões para atingir os objetivos devem ser orientados por fatores de mercado e da própria empresa, sendo certo que para inovar ou modificar depende da facilidade ou capacidade para introduzir ou alterar factores que influenciam os resultados.


»Assim, podemos exemplificar uma check list, sugestiva como metodologia, desses factores:

»Do mercado:

»- Nível de oferta

»- Tendência do consumo

»- Preços

»- Percepção dos consumidores


»Da empresa:

»- Organização

»- Colaboradores afetos.

»- Recursos investidos

»- Posicionamento

»- Rede de distribuição.


»Um aspeto importante a considerar é o timing da decisão. A empresa deve preparar os processos com tempo de forma a poder realizá-los na altura certa. Ou seja, a inovação é também ter métodos de análise que permitam dar o sinal para fazer algo de novo, alterar ou abandonar no tempo certo.


»A escolha do momento da decisão requer tempo e preparação. As precipitações determinam quase sempre insucesso e prejuizos materiais e perda de prestígio.


»No essencial, as empresas devem realizar a inovação orientada para o mercado, o que requer interacção com os clientes, como forma de identificar as oportunidades e testar as utilidades da inovação. É o ponto de partida para qualquer processo de inovação. A partir daqui, a empresa pode empreender os processos de organização e de estratégia.

»Em síntese, recomenda-se a seguinte orientação para desenvolver um novo produto ou serviço ou modificar o existente:

»- Analisar o mercado na perspectiva de perceber as necessidades do consumidor.

»- Promover no sentido de influenciar e despertar o mercado para as necessidades que novo produto ou serviço pretende satisfazer.


»Na prática, as situações não são simples de diagnosticar e muito menos de resolver.No caso de um novo produto ou serviço, é mais difícil de estudar o mercado sobre algo que se desconhece. Daí que os métodos de criação e desenvolvimento de novos produtos devam ter análises e sequência diferente. Ou seja, é primordial começar pela análise das necessidades do consumidor para caracterizar a oferta de novo produto ou serviço.

»Depois, analisar as capacidades de produção, factores de promoção, recursos da organização (colaboradores, equipamentos, competências, etc) e, finalmente a definição de estratégia.

»[...]

»Como se pode constatar, estamos na presença de uma sequência ao contrário do que é usual. A estratégia aparece no final como forma de dar sequência ao processo de Inovação para responder às necessidades do mercado.

»Partindo de soluções para a modificar ou lançar um novo produto, a fase seguinte é analisar todas as etapas a seguir dentro e fora da empresa com vista a obter, designadamente, as seguintes melhorias:

»- Reduzir custos nos processos.

»- Melhorar a flexibilidade (melhorar a relação prazos de entrega e dimensão das séries de produção, etc)

»- Equipamentos adequados à dimensão da produção.


»Tudo isto requer alterações na organização das empresas que implica novas responsabilidades, mudanças no posto de trabalho, procedimentos de informação focalizados em novos indicadores de gestão , etc. Contudo a metodologia de desenvolvimento deve ser o mais simples possível e seguir regras de avançar “passo a passo”, para permitir várias decisões intermédias, suportadas num plano funcional do produto. Cada empresa deverá empreender o seu próprio método para inovar e ser capaz de o gerir, caso contrário dificilmente poderá alcançar sucesso.

»Os processos deverão estar integrados numa estratégia bem definida para atingir objetivos de curto e, principalmente, de médio prazo. As estratégias são sempre necessárias quando as ideias e as oportunidades aparecem para focalizar o produto no mercado a que se destina.

»O consumidor é um alvo difícil de compreender nos negócios instalados, e no caso de novos produtos ainda mais porque exige análises aprofundadas das suas necessidades. Os restantes factores têm implicações na empresa e é fundamental avaliar os recursos existentes.

»Porém, a monitorização estratégica dos processos de inovação não é diferente da dos restantes. O facto de não haver histórico, que permita fazer análises temporais, o processo é mais exigente em vários aspetos, tais como:

»- Maior intensidade do trabalho em conjunto.

»- Processos de comunicação mais céleres.

»- Testes de avaliação permanente.

»- Maior envolvimento e responsabilização.


»Em simultâneo, é necessário manter vivo o espírito Empreendedor, ou seja, ter pensamentos e atitudes próativas, abertura à reformulação das estratégias, visão de futuro para a organização da empresa e assumir a necessidade de inovar para melhorar os negócios.


»A Inovação e o Empreendedorismo têm a mesma finalidade e complementaridade, exigem perseverança e resistência. Dito de outro modo, para inovar e empreender é imperioso nunca desistir.


»As estratégias de inovação devem ser implementadas de forma integrada na organização das empresas e não como uma acção isolada que acontece esporadicamente, podendo, mesmo, integrar novas orientações e diferentes maneiras de estruturar velhas ideias ou novas aplicações para abordagens tradicionais.

»As novas orientações derivam da cultura da organização, podem influenciar a visão e a missão global das empresas, mas dependem da avaliação dos resultados:

»− Retorno do investimento.

»− Risco do projeto.

»− Melhoria na organização (maior produtividade, etc.)

»− Mais vantagem competitiva.

»[...]


»Integração estratégia da inovação e empreendedorismo

»A inovação integra, simultaneamente, a fase de divulgação e de distribuição que requer cuidados especiais com o conteúdo da mensagem, com os meios e canal a adoptar, dado tratar-se de comunicar a nova ideia, dar a perceber ao mercado as novas vantagens para a satisfação de necessidades e persuadir para experimentar. Os resultados da inovação verificam-se, usualmente, nesta fase ao transmitir a percepção do mercado, o impacte nas vendas e o efeito de crescimento potencial. Também se avaliam as necessidades de ajustamento e evolução do espírito empreendedor na procura de melhorias para os processos e colaboradores.

»[...]


»Integração dos colaboradores no ambiente da Inovação

»A leitura do quadro acima, mostra as ligações entre os colaboradores e a organização, os elementos do espírito empreendedor para criar ambiente adequado à realização de novos processos e novos negócios. A Inovação proporciona, normalmente, mudanças na cultura e organização mais flexível nas empresas. No fundo, inovar é integrar para adequar comportamentos, reposicionar a estratégias junto dos mercados, cada vez mais complexos, e em permanente mudança. A essência da inovação e do posicionamento estratégico é a mesma, consiste em criar atividades diferentes das da concorrência.

»A globalização da economia veio transformar o mundo dos negócios e alterar os fatores de competitividade, como é consabido, e, por via disto, colocar novos desafios às pessoas e às empresas. A resposta das empresas é fazer a inovação acontecer, agir sobre os comportamentos dos colaboradores no sentido de estimular as iniciativas empreendedoras e assumir o risco como fator natural e indissociável dos processos de inovação.

»Em linha com a orientação referida está o programa Factores de Competitividade do QREN (2007-2013) que aponta para medidas estratégicas prioritárias de apoio ao investimento que determine inovação, o reforço das capacidades para criar mais valor nas empresas, promoção da incorporação dos respectivos resultados nos processos produtivos de forma a sustentar o aumento da produtividade e da competitividade nos mercados. As prioridades referidas estão integradas em três Eixos Estratégicos do Plano Tecnológico: Conhecimento, Tecnologia e Inovação.

»A definição destas prioridades pretende responder, de forma articulada, a alguns desafios e necessidades identificadas ao nível da Inovação considerando que a maioria das empresas PME,s não dispõe de capacidades financeiras suficientes e não têm capacidade competitiva sustentável a nível internacional a que se junta a ausência de cultura de inovação e de conhecimento tecnológico.

»Pretende, ainda, auxiliar as empresas a enfrentar o ambiente de instabilidade e de incerteza que caracteriza atualmente os mercados e impulsionar a busca de novos fatores críticos para obter novas vantagens competitivas nos negócios.

»Basicamente, pretende dar às empresas estímulos para orientar e realizar projetos de investimento que requerem:

»- Criatividade para dar resposta às necessidades de Inovação.

»- Colaboradores motivados

»- Abertura para realizar mudanças nas empresas.

»- Novas competências que podem ser asseguradas pelos atuais ou novos colaboradores.

»- Novas experiências nos negócios.

»- Ações simultâneas: fazer melhor e estimular a inovação dos produtos e dos processos.

»- Assumpção do risco para inovar.

»- Informação e disseminação de resultados.


»Porém, subsiste a seguinte questão que se levanta aos promotores:

»Como empreender projetos inovadores, se existem vários constrangimentos motivados por:

»- o risco sobre a viabilidade dos negócios tem vindo a aumentar;

»- o acesso ao crédito está cada vez mais difícil e condiciona o financiamento de novos projetos;

»- o ambiente económico da conjuntura não é favorável.


»Sendo certo que estes fatores são para a ter em conta, haverá a considerar também, o seguinte:

»- sem risco não há negócio;

»- é decisivo conceber e implementar novos desenvolvimentos na organização das empresas para proporcionar novos ambientes, novas ideias e criar dinâmicas;

»- sem inovação não será possível equacionar a sustentação dos negócios a prazo e despertar o espírito empreendedor nos comportamentos das pessoas.


»A resposta é Inovar, Empreender para melhorar a competitividade. De referir que a adopção da inovação só faz realmente sentido se enquadrada num processo de reflexão estratégica.

»Sem a análise do mercado, da indústria, dos recursos e conhecimentos da empresa é impossível garantir que a nova oferta é exequível e terá aceitação.

»Estas análises podem ser mais ou menos elaboradas, mais ou menos formais mas devem ser feitas. Muitas vezes uma breve conversa com um cliente ou um fornecedor é o suficiente para obter quase todos os elementos necessários para a análise e tornar claro que se deve adoptar a inovação.

»Mas o processo de reflexão ter de ser feito. Fazer algo novo fora desta metodologia de análise não é um acto racional de gestão, é uma aposta.

»A intuição não substitui a análise racional. No caso da Moda Têxtil a criatividade é o resultado da inspiração para produzir inovação nos estilos e a associação de novos conceitos cuja racionalidade está na gestão dos ganhos de notoriedade da moda portuguesa nos mercados internacionais.»





Tipologias de inovação
Leituras temáticas

Sem comentários:

Enviar um comentário